PLATAFORMA COREOGRÁFICA INTERNACIONAL | INTERNATIONAL PLATFORM FOR CHOREOGRAPHERS

8 Out./Oct. | Sábado/ Saturday | 18:00/6PM

Local/Venue: Auditório Osvaldo Azinheira – Academia Almadense

Duração total/Total duration: Aprox. 60’
Classificação etária/Ages: Maiores de 6/ 6 and above
Preço/Price: 6€ | 3€ para jovens e seniores/for youth and senior citizens

Informações/Information: +351 212 583 175 | quinzena@cdanca-almada.pt
Reservas/Tickets and reservations: +351 212 583 175 | exterior.producao@cdanca-almada.pt

NA AUSÊNCIA DE TERNURA (excerto)- Juliana Fernandes e Victor Gomes |PORTUGAL|

©Natacha Campos

Criação e Interpretação: Juliana Fernandes, Victor Gomes
Edição de Som: Victor Gomes
Desenho de Luz: Juliana Fernandes
Figurinos e Cenário: Mariana Pombal, Juliana Fernandes, Victor Gomes
Registo Fotográfico e Imagem: Natacha Campos e Afonso Barros
Conceção de Trailer: Afonso Barros

Apoio à Residência: Performact, Arte em Movimento, CDV – Teatro do Noroeste e Instável Centro Coreográfico
Coprodução: Companhia Instável e Teatro Municipal do Porto

A procura de uma linha que nos encontra, uma ausência que já nos pareceu ternura e que hoje nos fica como o rasto deturpado da memória.

Juliana Fernandes & Victor Gomes são licenciados pela Escola Superior de Dança e cruzam o percurso artístico na formação Performact em 2019. No mesmo ano criam “Na ausência de Ternura”.
Juliana Fernandes tem desenvolvido o seu trabalho na área da criação destacando as seguintes peças: “à direita de onde nasce o sol”, “em frente”, “Ever yours”, “faded love” e “Sonata for vacuum and H. strings”. Atualmente é diretora executiva e artística com Mariana Pombal do festival Lethes em Bruto.
Victor Gomes destaca no seu percurso o seu trabalho como intérprete nas peças “Sem chão”, “Sem fim”, “Sopro” e “Um fio de ar” de Amélia Bentes, “Stay Still”, “Stand Silent” de João Cardoso, “SUGAR” do coletivo SillySeason e co cria com João Cardoso “Adapted to Y&Y”. Destaca também a participação como coreógrafo convidado no festival Lethes em Bruto.
Atualmente Juliana Fernandes & Victor Gomes são diretores executivos e artísticos do programa de formação AN-TRE.

Duração: 15′


GET US (excerto) – Ownpulse Dance Group |PORTUGAL|

©Joana de Almeida

Coreografia: Renato Nóbrega Vieira
Intérpretes: Andreia Lopes e Marta João
Composição Musical, Arranjos, Edição e Gravação: Francisco Telles (Real Rockers studio)
Composição Musical ( violoncelo ): Ana Conceição
Percussão: Romano Rafael
Trompete: João Sousa
Figurino: Renato Nóbrega Vieira e Gabriela Poças
Desenho de Luz: Renato Nóbrega Vieira

Apoio à Criação: Action Performing Arts Center (estúdio de trabalho); Hugo Frasco e Joana de Almeida & Real Rockers

Como as nuvens nos separam do sol e do resto. Das estrelas, da lua.
Como os muros nos separam da cidade, quando nos lembramos dos tempos de recreio.
Como o fosso de orquestra nos separa do palco, quando somos público, ou somos artistas e nos separamos da plateia. Assim são os guetos separados da sociedade ambiciosa.
Perguntamos quem constrói essa separação?
Essa separação também liga, cola e une? Não se funde.
A minha mão move-se independente do meu antebraço, mas torna-se difícil isolar-se do pulso e muito mais da pele…
Quando a cor da pele separa… quando também é cor e quando também é pele.
O dinheiro separa. O dinheiro não pode ser dividido.
Não podemos rasgar uma nota e distribuir suas parcelas, nem o podemos fazer a uma moeda.
A cara e a coroa da moeda, fazem parte da moeda…mas… o que estará entre elas? O seu valor? talvez…
Que valor damos ao dinheiro…o que ele vale… quanto vale…que poder tem ele para além “de poder” criar segregação?

Renato Nóbrega Vieira nasceu no Porto e começou a dançar com 12 anos na escola de dança Ginasiano em Vila Nova de Gaia. Aos 14 viajou para Lisboa para estudar na Escola de Dança do Conservatório Nacional até 2010. Começou imediatamente a trabalhar como bailarino profissional. Dançou para algumas companhias: Ballet d’europe; Vórtice Dance Company; Companhia Luís Damas; Elenco Produções; Samadhi Dance Company.

Em 2014 deu importância à sua paixão pela música. Desde essa altura que faz parte do grupo Real Rockers.

Viajou em trabalho por inúmeras cidades, vilas e aldeias de Espanha, França, Itália, Roménia, Alemanha, Holanda, Estónia e México e Portugal.

Estreou como coreógrafo em 2011. Coreografou para escolas e companhias como  Estúdio B ( co-fundador ) e Companhia Poveira Nós da Dança. Criou “Mr&Mrs”; “Seek”; “Skull”; “Ulisses”; “Neste momento”; “Outro momento”; “À mesa com Eça”; “Missa crioulla”; “Camélias de cá e de lá e daqui e dali”.

Coreografou também para competições e espetáculos de escolas, deu aulas de movimento a modelos e apoiou ao movimento peças de teatro. Foi formador em workshops em Portugal e no estrangeiro.

Ao lado de Ana Lígia Vieira cofundou EstúdioB em 2012 onde trabalhou até 2019. Lá coreografou, dirigiu e lecionou. Renato é professor na Action Performing Arts Center, no Porto, e na escola Artis Bailado em Famalicão.

Em 2020 fundou Ownpulse Dance Group.

Duração: 20′


PAULA – Ana P. Silva |PORTUGAL|

©Miguel G.

Coreografia: Ana P. Silva
Interpretação: Estela Santos, Gabriela Coelho, Miguel Querido e Rita Almeida
Música: Interlude # 2 de Noël Akchoté & Marc Ribot, Bal les masques de Lucien Dubuis Trio & Marc Ribot, Extensions de Noël Akchoté & Marc Ribot, O mundo é um moinho de Cartola
Figurinos: Ana P. Silva e Rosa Silva

Quantas tens neste momento?
Quantas vidas, experiências, quantas Paulas. O que valem para ti?
Todos temos ou vamos ter uma Paula. Todos vamos ser Paulas, e ainda bem, porque o mal não é dos que vão nem dos que ficam, mas sim dos que não aproveitam este caminho.
Se a Paula fosse uma unidade de medida, de quantas Paulas precisavas para perceberes que és finito?

Ana P. Silva nasceu a 23 de outubro de 2000, em Setúbal, Portugal, local onde reside até aos dias de hoje. Frequentou o curso de ciências e tecnologias durante o ensino secundário, período durante o qual descobriu o seu interesse pela dança contemporânea. Desde então procurou formação tanto na área contemporânea como clássica, tendo frequentado o estúdio Kelly Nakamura, bem como a Academia de Dança Contemporânea de Setúbal (no ano letivo 2018/2019 como aluna externa). Atualmente frequenta a Escola Superior de Dança em Lisboa, na qual termina no atual ano letivo 2021/2022 o terceiro ano da licenciatura em dança. Tem como principais interesses a procura e descoberta do movimento do corpo, tanto o próprio como o dos que a rodeiam, bem como a exploração dos limites e barreiras com os quais se depara no quotidiano e ao longo da vida. Acredita que a dança está em todos e é para todos, e é esta a sua principal motivação a nível criativo e imagético.

Duração: 12′

Apoio/Support


CORRENTE – Beatriz Mira e Tiago Barreiros |PORTUGAL|

©Ricardo Henriques

Coreografia e Interpretação: Beatriz Mira e Tiago Barreiros
Composição Musical: Pedro Barreiros
Figurinos: Sara Leme

Com o apoio de: Companhia Portuguesa de Bailado Contemporâneo; Estúdios Victor Cordon; Sentidosilimitados; Ballet etc…

CORRENTE.

Corpo.
Ser sem alma.

Consciência.
A suposta alma do ser.

O ser.
Aquele que, acorrentado, compreende o seu pequeno mundo e aceita a enormidade fora das correntes que asseguram a sua existência.

Corrente que liga
que leva, que traz
que é rio e prisão
conforto e domínio.

Beatriz Mira formou-se na Escola Domus Dança. Iniciou a sua carreira na Companhia Instável com uma peça de Willi Dorner e trabalhou com a coreógrafa Regina Van Berkel no Ballet Koblenz, dirigido por Steffen Fuchs. Em 2020 integra o elenco da CPBC, de Vasco Wellenkamp e do projeto COMPOTA, de Paula Pinto. A sua primeira experiência coreográfica foi a criação de “Só sei que nada sei” para o Festival M.A.R. em 2017. Em conjunto com Tiago Barreiros apresentou no Festival Lugar Futuro 2021 um primeiro formato de CORRENTE.

Tiago Barreiros formou-se na Escola de Dança do Conservatório Nacional e na Dutch National Ballet Academy. Iniciou a sua carreira na INTRODANS, tendo dançado obras de Jiří Kylián, Sidi Larbi e Mauro Bigonzetti. Em 2020 integrou o elenco da CPBC, de Vasco Wellenkamp, e de projetos de Benvindo Fonseca, Quorum Ballet e COMPOTA, de Paula Pinto. Em 2019 criou a sua primeira peça “Tudo à volta de uma mesa”, apoiada pela F.C.Gulbenkian. Em 2021, estreia Quimera em conjunto com Carlota Rodrigues em parceria com o CIUL. Em conjunto com Beatriz Mira apresentou no Festival Lugar Futuro 2021 um primeiro formato de CORRENTE.

Duração: 10′


NA AUSÊNCIA DE TERNURA (excerpt) – Juliana Fernandes e Victor Gomes |PORTUGAL|

Choreography and Performance: Juliana Fernandes, Victor Gomes
Sound Design: Victor Gomes
Light Design: Juliana Fernandes
Costumes and Stage Set: Mariana Pombal, Juliana Fernandes, Victor Gomes
Photography and Image: Natacha Campos e Afonso Barros
Trailer: Afonso Barros

Residency Support: Performact, Arte em Movimento, CDV – Teatro do Noroeste e Instável Centro Coreográfico
Co-production: Companhia Instável e Teatro Municipal do Porto

The search for a line that finds us, an absence that once felt like tenderness and today remains as a distorted trace of memory.

Juliana Fernandes & Victor Gomes, graduated from Escola Superior de Dança, in Lisbon, and crossed the artistic formative path in “Performact” (2019). In the same year they created “Na ausência de Ternura”.
Juliana Fernandes has been developing her work in the area of creation, highlighting the following pieces: “à direita de onde nasce o sol”, “em frente”, “Ever yours”, “faded love” and “Sonata for vacuum and H. strings”. She is currently executive and artistic director with Mariana Pombal of the festival Lethes in Bruto.
Victor Gomes highlights in his career his work as a performer in the pieces “Sem chão”, “Sem fim”, “Sopro” and “Um fio de ar” by Amélia Bentes, “Stay Still”, “Stand Silent” by João Cardoso, “SUGAR” by the SillySeason collective and co-creation with João Cardoso “Adapted to Y&Y”. He also highlights his participation as a guest choreographer at the Lethes em Bruto festival.
Currently, Juliana Fernandes & Victor Gomes are executive and artistic directors of the AN-TRE training program.

Duration: 15’


GET US (excerpt)- Ownpulse Dance Group |PORTUGAL|

Choreography: Renato Nóbrega Vieira
Performance: Andreia Lopes and Marta João
Musical Composition, Arrangements, Editing and Recording: Francisco Telles (Real Rockers studio)
Musical Composition (cello): Ana Conceição
Percussion: Romano Rafael
Trumpet: João Sousa
Costumes: Renato Nóbrega Vieira and Gabriela Poças
Light Design: Renato Nóbrega Vieira

Creative Support: Action Performing Arts Center (working studio); Hugo Frasco and Joana de Almeida & Real Rockers

How the clouds separate us from the sun and the rest. From the stars, from the moon.
Like the walls separate us from the city, when we remember playground times.
Like the orchestra pit separates the audience from the stage and the performers from the audience. So are the ghettos separated from the ambitious society.
We ask who builds that separation?
Does that separation also bind, glue and unite? It does not merge.
My hand moves independently from my forearm, but it becomes difficult to isolate from the wrist and much more from the skin…
When the colour of the skin separates… when it is also colour and when it is also skin.
Money separates. Money cannot be divided.
We cannot tear a note and distribute its portions, nor can we do so to a coin.
The heads and tails of the coin are part of the coin… but… what will be between them? Its value? perhaps…
What value do we place on money…what is it worth…how much is it worth…what power does it have other than “power” to create segregation?

Renato Nóbrega Vieira was born in Oporto and started dancing at the age of 12 at the Ginasiano dance school in Vila Nova de Gaia. At 14 he travelled to Lisbon to study at the National Conservatory Dance School until 2010. He immediately started working as a professional dancer. He danced for different companies: Ballet d’Europe; Vórtice Dance Company; Luís Damas company; Elenco Produções; Samadhi Dance Company.
In 2014 he gave importance to his passion for music. Since then she has been part of Real Rockers.
He has travelled on work through countless cities, towns and villages in Portugal, Spain, France, Italy, Romania, Germany, Holland, Estonia and Mexico.
He debuted as a choreographer in 2011. He choreographed for schools and companies such as Estúdio B ( co-founder ) and Companhia Poveira Nós da Dança. He created “Mr&Mrs”; “Seek”; “Skull”; “Ulysses”; “At this moment”; “Another moment”; “At the table with Eça”; “Missa crioulla”; “Camélias de cá e de lá e daqui e dali”. He also choreographed for competitions and school shows, gave movement classes to models and supported movement theatre plays. He offered workshops in Portugal and abroad.
Alongside Ana Lígia Vieira co-founded EstúdioB in 2012 where he worked until 2019. There, he choreographed, directed and taught. Renato is a teacher at Action Performing Arts Center in Porto and at Artis Bailado school in Famalicão.
In 2020 he founded Ownpulse Dance Group.

Duration: 20′


PAULA – Ana P. Silva |PORTUGAL|

Choreography: Ana P. Silva
Performance: Estela Santos, Gabriela Coelho, Miguel Querido and Rita Almeida
Music: Interlude # 2 by Noël Akchoté & Marc Ribot, Bal les masques by Lucien Dubuis Trio & Marc Ribot, Extensions by Noël Akchoté & Marc Ribot, O mundo é um moinho by Cartola
Costumes: Ana P. Silva e Rosa Silva

How many do you have at this moment?
How many lives, experiences, how many “Paulas”. What are they worth to you?
We all have or will have a Paula. We are all going to be “Paulas”, and that is just as well, because it is not the fault of those who go, nor of those who stay, but rather of those who do not take advantage of this path.
If Paula were a unit of measurement, how many “Paulas” would you need to understand that you are finite?

Ana P. Silva was born on the 23rd of October 2000, in Setúbal, Portugal, where she still lives today. She attended the science and technology course in high school, during which she discovered her interest in contemporary dance. Since then she has sought training in both contemporary and classical areas, having attended the Kelly Nakamura studio, as well as the Setúbal Academy of Contemporary Dance (in the academic year 2018/2019 as an external student). She is currently attending Escola Superior de Dança in Lisbon, in which she finishes the third year of her degree in dance in the current academic year 2021/2022. Her main interests are the search and discovery of body movement, both her own and that of those around her, as well as the exploration of limits and barriers that she faces everyday and throughout her life. She believes that dance is in everyone and is for everyone, and this is her main motivation on a creative and imagetic level.

Duration: 12′


CORRENTE – Beatriz Mira and Tiago Barreiros |PORTUGAL|

Choreography and Performance: Beatriz Mira and Tiago Barreiros
Music Composition: Pedro Barreiros
Costumes: Sara Leme

Supported by: Companhia Portuguesa de Bailado Contemporâneo; Estúdios Victor Cordon; Sentidosilimitados; Ballet etc

CURRENT.

Body.
Soulless being.

Consciousness.
The supposed soul of being.

The being.
The one who, chained, understands his small world and accepts the enormity outside the chains that ensure his existence.

Chain that binds
that carries, that brings
which is river and prison
comfort and dominion.

Beatriz Mira graduated from Escola Domus Dança. She began her career in Companhia Instável with a piece by Willi Dorner and she worked with choreographer Regina Van Berkel at the Koblenz Ballet, directed by Steffen Fuchs. In 2020 she joined the cast of CPBC, by Vasco Wellenkamp and the COMPOTA project, by Paula Pinto. Her first choreographic experience was the creation of “Só sei que nada sei” for the M.A.R. festival in 2017. Together with Tiago Barreiros they presented a first format of CORRENTE at the Festival Lugar Futuro 2021.

Tiago Barreiros graduated from Escola de Dança do Conservatório Nacional (Lisbon) and the Dutch National Ballet Academy. He began his career at INTRODANS, having danced works by Jiří Kylián, Sidi Larbi and Mauro Bigonzetti. In 2020 he joined the cast of CPBC, by Vasco Wellenkamp, and projects by Benvindo Fonseca, Quorum Ballet and COMPOTA, by Paula Pinto. In 2019 he created his first play “Tudo à volta de uma mesa”, supported by the F.C.Gulbenkian. In 2021, he premiered “Quimera” together with Carlota Rodrigues in partnership with CIUL. Together with Beatriz Mira he presented a first format of CORRENTE at the Lugar Futuro 2021 Festival.

Duration: 10′