@foto Lavaud Christophe

20 Oct./out. | 21:30
Venue/local: Auditório Municipal Fernando Lopes-Graça

Roots
Ayoba Compagnie |FR|

 

Choreography: Pauline de Lattre
Performance: Syrielle Guignard, Camille Le Bot, Caroline Mercier, Mashol Rosero, Laura Selly-Spitz
Sound universe and light design: William Fournier
Music: “Kikilla” de Mariela Condo

A travel between South African Gumboots and contemporary dance. Five dancers, musicians and singers will explore the daily life of mineworkers in Johannesburg during the twentieth century and, a century after in Europe, their own daily life in a controlled urban world. How bodies can express themselves through percussion sounds, songs, movements, connections… Exploring the human ingeniousity who always find a way to creation and union, no matter what.

The Ayoba Company works around Gumboots, singing and contemporary dance. The artists go through questions such as how do we share, (re)connect with others and ourselves, walk with unity, help, respect, exist in a society that does not always leave you enough space… How do we adapt and transform the difficult moments of life into moments of hope, sharing and joy? Different formats of shows are proposed: from street performances to long format on stage, and workshops.

Ayoba’s choreographer Pauline de Lattre learned dance through travels. She dived in the Afro-Brazilian culture for many years but the encounter with the Gumboots expression marked a turning point in her artistic life. In Paris she studied the Dunham technique and the sharing philosophy of the Afro-American figure: Katherine Dunham. Involved with dancers from different background and origin, she also plays around movement for actors, in the theatre field. Curious about the plurality of human being expression, she finds her material in the stakes of the society in which she evolves.

Duration: 50 mins
For ages 6 years and older
6€, 3€ for youth and senior citizens

/

Coreografia: Pauline de Lattre
Interpretação: Syrielle Guignard, Camille Le Bot, Caroline Mercier, Mashol Rosero, Laura Selly-Spitz
Universo sonoro e desenho de luz: William Fournier
Música: “Kikilla” de Mariela Condo

Uma viagem entre a dança de galochas sul-africana e a dança contemporânea. Cinco bailarinos, músicos e cantores irão explorar a vida diária dos mineiros em Joanesburgo durante o séc. XX e, um século depois, na Europa. A sua própria vida diária num mundo urbano controlado. A forma como os corpos se podem expressar através de sons de percussão, canções, movimentos, ligações… Explorar o génio humano, que encontra sempre uma forma de criação e união, aconteça o que acontecer.

A Ayoba Company centra o seu trabalho na dança com galochas, canto e dança contemporânea. Os artistas analisam questões sobre como podemos partilhar, (re)ligar-nos com os outros e connosco, caminhar em unidade, ajudar, respeitar, existir numa sociedade que nem sempre nos deixa espaço suficiente… Como nos adaptamos e transformamos os momentos difíceis da vida em momentos de esperança, partilha e alegria. São propostos diferentes formatos de espetáculos: desde performances de rua a espetáculos no palco de longa duração e workshops.

A coreógrafa de Ayoba, Pauline de Lattre, aprendeu dança através das suas viagens. Imersa na cultura afro-brasileira durante muitos anos foi no entanto a descoberta da expressão de dança de galochas que representou um ponto de viragem na sua vida artística. Em Paris, estudou a Técnica Dunham e a filosofia de partilha da figura afro-americana: Katherine Dunham. Envolvida com bailarinos de diferentes culturas e origens, também trabalha com o movimento para atores na área dramática. Curiosa sobre a pluralidade de expressão do ser humano, encontra o seu material no seio da sociedade em que evolui.

Duração: 50‘
Espetáculo para maiores de 6 anos
6€, 3€ para jovens e séniores

Both comments and pings are currently closed.