photo/foto Rui Tavares

10 Oct./out. | 21:30
Venue/Local: Auditório Municipal Fernando Lopes-Graça

O Monstro está em Cena
Companhia de Dança Contemporânea de Angola |AO|

Choreography: Ana Clara Guerra Marques and Nuno Guimarães
Performers: António Sande, Armando Mavo, Benjamim Curti, Daniel Curti and Samuel Curti
Costumes: Nuno Guimarães
Light Design: Ana Clara Guerra Marques e Nuno Guimarães
Original Music: Inês Vieira (violin and voice)
Music: Lacrimosa by W. A. Mozart, Avé Maria by G. Caccini, Naqoyqatsi, Thirteenth Dalai Lama, Symphony for eight and Dead Things by Philip Glass, Showers of Ink by Loscil, Brave New World and Score by Massive Attack, In a Landscape 1 by John Cage, Flying Minaret by Sig, As portas de Aisa Tanaf by Victor Gama, Ptolemy by Aphex Twin
Executive producer: Jorge António
Special participation in the video: Catarino Rodrigues and the children Gabriel Neto, Leandro Lopes, Maria Ribeiro, Rita Fonseca, and Tchissole Brito

O Monstro está em Cena (The Monster is on Stage) is a piece that invites reflection on the human being as protagonist of a world where violence, individualism and intolerance are growing. New capitalist models based on consumerism and conflicts between different ethnic, religious or political groups promote the emergence of new “walls” and resignation in the face of inequalities between ostentation and misery. Gender issues and the condition of inferiority imposed on women are also subjects of this uncomfortable insight into the human condition.
World Premiere: Camões – Centro Cultural Português, Luanda, 14th June 2018

Ana Clara Guerra Marques began her dance studies at the Academia de Bailado de Luanda in 1970. She has a Master in Artistic Performance – Dance from Faculdade de Motricidade Humana (Universidade Técnica de Lisboa) and a Degree in Dance – Teaching from Escola Superior de Dança de Lisboa (Instituto Politécnico de Lisboa). She is the author of the books “A Alquimia da Dança” (1999), “A Companhia de Dança Contemporânea de Angola” (2003), “Para uma História da Dança em Angola – Entre a Escola e a Companhia: Um Percurso pedagógico” (2008) and Catálogo do Museu do Dundo (Org.), “Memória Viva da Cultura do Leste de Angola” (2012), and “Máscaras Cokwe: A linguagem coreográfica de Mwana Phwo e Cihongo” (2017). In 1978, she took over the role of Board Director of the only dance school in Angola, an activity that she performs alongside teaching, also taking the first steps for the foundation of the professional teaching of the arts in Angola, namely the curricular organization of the professionalization courses in dance. Also at the Ministry of Culture, where she worked for 37 years, she was part of the installing committees of the Instituto Superior de Artes and Institutos Médios de Artes and was part of the interministerial working group for the creation of the Art Education Sub-system in Angola. From 2007 to 2015 she served as Consultant to the Deputy Minister and Minister of Culture of Angola. Her strategy for the promotion of dance as an artistic language and performing art in Angola is also based on her own practice as dancer and choreographer. In 1991 she founded the first Angolan professional company (and one of the first in Africa), the Companhia de Dança Contemporânea de Angola. The implementation of Inclusive Dance is another of her contributions to a diversified approach to dance in Angola. A pioneer of contemporary dance in her country, she divides her work between themes of intervention and social criticism, as expressed by the pieces Mea Culpa (1992), Imagem & Movimento (1993), Palmas, Por Favor! (1994), Neste País… (1995), Agora não dá! ‘Tou a bumbar… (1998), Os quadros do verso vetusto (1999), O Homem que Chorava Sumo de Tomates (2011), Ceci n’est pas une porte (2016) or O monstro está em cena (2018) and the use of her research work on Angolan heritage dances, focusing on cokwe culture. The proposal of different aesthetics and approaches relative to inherited heritage is reflected in A Propósito de Lueji (1991), Uma Frase Qualquer… & Outras (Frases) (1997), Peças para uma Sombra Iniciada, Outros Rituais Mais ou Menos (2009) or Solos para um Dó Maior (2014), as an artistic extension of this field of research. She is a member of the Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA). She is co-founder of the Sociedade Angolana dos Direitos de Autor, where she served as Vice-Chairman of the Board of Directors and is an individual member of UNESCO’s International Dance Council. In recognition of her contribution to the development of arts and culture in Angola, she was awarded the “Prémio Nacional de Cultura e Artes” (2006), the “Identidade” award by the União Nacional dos Artistas e Compositores (1995), the Honour (2006) and Merit (2016) distinctions by the Angolan Ministry of Culture and UNAC’s “Diploma de Honra – Pilar da Dança” (2011).

Nuno Guimarães was born in Luanda on December 18, 1972. He attended primary school and high school in this city until 1988. He joined the Escola de Dança da Secretaria de Estado da Cultura in 1985, which he attended for two years. In 1990 he joined the Sociedade Nacional de Belas Artes in Lisbon graduating in Fine Arts. In the following years he participated in exhibitions, catalogue covers, cartoons for the press and some musical events. In 2008, he is invited to participate in the project Oratura… dos Ogros e Fantástico, where he meets his former teacher and choreographer Ana Clara Guerra Marques, with whom he worked in the reorganization of the Companhia de Dança Contemporânea de Angola, performing the duties of assistant director and assayer. He is responsible for the creation of the costumes of Companhia Contemporânea de Angola, having also designed the wardrobe for the opening and closing shows of Taça Africana das Nações Orange Angola (CAN) and of Festival Nacional de Cultura (Fenacult 2014). He is the co-author of the works created for CDC Angola, Ceci n’est pas une porte (2016) and O monstro está em cena (2018).

Created in 1991, Companhia de Dança Contemporânea de Angola has built, through a path of innovation and individuality, a unique history that makes it a distinctive and historical collective, in an artistic context that remains fragile, conservative and strongly influenced by urban heritage and recreational dances and by the absence of a movement of author’s creation in the dance field. Causing an aesthetic rupture in the Angolan dance scene and becoming, in 2009, an Inclusive Dance company, CDC Angola started the season system and created a line of work that rejects conventional structuring narratives, preferring proposals that confront the public with their own stories, aspects of their daily lives, their social realities, their status as citizens of intersecting universes. At a time when geographical and cultural barriers are overcome by the resources provided by the new technologies, these, together with other languages, have become part of CDC Angola’s artistic and aesthetic discourse, where body and movement are the catalyst elements. In the scope of research and experimentation, it proposes the revitalization and a new interpretation of the traditional root culture with works created from research studies carried out in various regions of Angola. The use of dance as a means of social intervention, exposing Man as a citizen of the world and the protagonist of the Angolan social scene, is the hallmark of this company. To disseminate, surprise, teach, provoke and contribute to the aesthetic education of the public, facilitating the appreciation of the arts, are the main goals of this Angolan company, complementing its artistic action with workshops, seminars, lectures, meetings, open classes and other education and dissemination programs in the dance field. Founded 26 years ago and still poorly understood in its own country, CDC Angola seeks internationalization as a way of validating its work outside Angola where it is recognized.
Companhia de Dança Contemporânea de Angola has performed in 15 countries and 31 cities in Africa, Americas, Europe and Asia, where its performances were greatly appreciated.

Duration: 60’
Ages: 12 and above
Price: 6€ | 3€ for youth and senior citizens

/

Coreografia: Ana Clara Guerra Marques e Nuno Guimarães
Interpretação: António Sande, Armando Mavo, Benjamim Curti, Daniel Curti e Samuel Curti
Figurinos: Nuno Guimarães
Desenho de luz: Ana Clara Guerra Marques e Nuno Guimarães
Música original: Inês Vieira (Violino e voz)
Música: Lacrimosa de W. A. Mozart, Avé Maria de G. Caccini, Naqoyqatsi, Thirteenth Dalai Lama, Symphony for eight, and Dead Things de Philip Glass, Showers of Ink de Loscil, Brave New World and Score de Massive Attack, In a Landscape 1 de John Cage, Flying Minaret de Free Cinematic Sessions by Sig, As portas de Aisa Tanaf de Victor Gama, Ptolemy de Aphex Twin
Participação especial em vídeo: Catarino Rodrigues e as crianças Gabriel Neto, Leandro Lopes, Maria Ribeiro, Rita Fonseca e Tchissole Brito
Produtor Executivo: Jorge António

O Monstro está em Cena é uma peça que convida à reflexão sobre o ser humano enquanto protagonista de um mundo onde cresce a violência, o individualismo e a intolerância. Os novos modelos capitalistas baseados no consumismo e nos conflitos entre os diferentes grupos étnicos, religiosos ou políticos, promovem o surgimento de novos “muros” e a resignação perante as assimetrias entre fausto e miséria. As questões de género e a condição de inferioridade imposta à mulher são, igualmente, alvo desta desconfortante introspeção sobre a condição humana.
Estreado no Camões – Centro Cultural Português, Luanda 14 de junho de 2018.

Ana Clara Guerra Marques inicia os seus estudos em dança na Academia de Bailado de Luanda em 1970. É Mestre em Performance Artística – Dança, pela Faculdade de Motricidade Humana da Universidade Técnica de Lisboa e Licenciada em Dança – Especialidade de Pedagogia, pela Escola Superior de Dança de Lisboa do Instituto Politécnico de Lisboa. É autora dos livros “A Alquimia da Dança” (1999), “A Companhia de Dança Contemporânea de Angola” (2003), “Para uma História da Dança em Angola – Entre a Escola e a Companhia: Um Percurso pedagógico” (2008), Catálogo do Museu do Dundo (Org.), “Memória Viva da Cultura do Leste de Angola” (2012) e “Máscaras Cokwe: A linguagem coreográfica de Mwana Phwo e Cihongo” (2017). Em 1978 desenvolve as primeiras acções para a fundação de um ensino profissional das artes em Angola, designadamente a organização curricular dos cursos de profissionalização em dança. No Ministério da Cultura, onde trabalhou durante 37 anos, integrou as comissões instaladoras do Instituto Superior de Artes e dos Institutos Médios de Artes e fez parte do grupo de trabalho interministerial, para a criação do Sub-sistema de Educação Artística em Angola. Entre 2007 e 2015 exerceu as funções de Consultora do Vice-Ministro e da Ministra da Cultura de Angola. Da sua estratégia para a defesa e projecção da dança enquanto linguagem artística e arte performativa em Angola, fazem ainda parte a sua prática como bailarina e coreógrafa. Em 1991 funda a primeira companhia profissional angolana, a Companhia de Dança Contemporânea de Angola. A implementação da Dança Inclusiva é outra das suas contribuições para uma diversificação do olhar sobre a dança em Angola. Pioneira da dança contemporânea no seu país, divide a sua criação entre temas de intervenção e crítica social, como expressam as peças Mea Culpa (1992), Imagem & amp; Movimento (1993), Palmas, Por Favor! (1994), Neste País… (1995), Agora não dá! ‘Tou a bumbar… (1998), Os quadros do verso vetusto (1999), O Homem que Chorava Sumo de Tomates (2011), Ceci n’est pas une porte (2016) ou O monstro está em cena (2018) e a utilização do seu trabalho de investigação sobre as danças patrimoniais angolanas, com incidência na cultura cokwe. A proposta de outras estéticas e abordagens a um património herdado é reflectida em A Propósito de Lueji (1991), Uma Frase Qualquer… & Outras (Frases) (1997), Peças para uma Sombra Iniciada, Outros Rituais Mais ou Menos (2009) ou Solos para um Dó Maior (2014), enquanto extensão artística desse campo de pesquisa. É membro do Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA). É co-fundadora da Sociedade Angolana dos Direitos de Autor, onde desempenhou as funções de Vice-Presidente do Conselho de Administração e é membro individual do Conselho Internacional de Dança da UNESCO. Como reconhecimento da sua contribuição para o desenvolvimento das artes e da cultura em Angola, foram-lhe atribuídos o “Prémio Nacional de Cultura e Artes” (2006), o prémio “Identidade” da União Nacional dos Artistas e Compositores (1995), os Diplomas de Honra (2006) e de Mérito (2016) do Ministério da Cultura de Angola e o “Diploma de Honra – Pilar da Dança” da UNAC (2011).

Nuno Guimarães, nascido em Luanda a 18 de dezembro de 1972, fez o ensino primário e o liceu nesta cidade até 1988. Entrou para a Escola de Dança da Secretaria de Estado da Cultura em 1985, que frequentou durante dois anos. Em 1990 entrou para a Sociedade Nacional de Belas Artes em Lisboa onde fez o curso académico de Belas Artes. Nos anos seguintes participou em exposições, capas de catálogos, cartoons para a imprensa e em alguns eventos musicais. Em 2008 é convidado a participar no projecto “Oratura… dos Ogros e do antástico”, onde resgata o contacto com a sua antiga professora e coreógrafa Ana Clara Guerra Marques, com quem trabalhou na reorganização da Companhia de Dança Contemporânea de Angola, onde desempenha as funções de assistente de direcção e ensaiador. É o autor dos figurinos da Companhia Contemporânea de Angola, tendo também desenhado o guarda-roupa para os espectáculos de abertura e encerramento da Taça Africana das Nações Orange Angola (CAN) e do Festival Nacional de Cultura (Fenacult 2014). É co-autor das obras criadas para a CDC Angola, “Ceci n’est pas une porte” (2016) e “O monstro está em cena” (2018).

Fundada em 1991, a Companhia de Dança Contemporânea de Angola edificou, através de um percurso de inovação e singularidade, uma história exclusiva que faz dela um colectivo histórico e único, num contexto artístico que permanece frágil, conservador e fortemente cunhado pelas danças patrimoniais e recreativas urbanas e pela ausência de um movimento de criação de autor, no plano da dança. Provocando uma ruptura estética na cena da dança angolana e tornando-se, em 2009, uma companhia de Dança Inclusiva, a CDC Angola inaugurou o regime de Temporadas e criou uma linha de trabalho que, dispensando as narrativas de estruturação convencional, preferencia propostas que confrontem o público com as suas próprias histórias, aspectos do seu quotidiano, das suas realidades sociais, da sua condição de cidadãos de universos que se cruzam. Numa época em que as barreiras geográficas e culturais são superadas pelos recursos disponibilizados pelas novas tecnologias, estas, conjuntamente com outras linguagens, passaram a integrar o discurso artístico e estético da CDC Angola, onde o corpo e o movimento constituem o elemento catalisador. No âmbito da pesquisa e experimentação, propõe a revitalização e a releitura da cultura de raiz tradicional com obras criadas a partir de estudos de investigação efectuados em várias regiões de Angola; A Propósito de Lweji (1991), Uma frase qualquer… e outras (frases) (1997), Peças para uma sombra iniciada e outros rituais mais ou menos (2009), Paisagens Propícias (2012) e Mpemba Nyi Mukundu (2014) e (Des)construção (2017), são alguns dos exemplos. Por outro lado, com Corpusnágua (1992); Solidão (1992); 1 Morto & os Vivos (1992), 5 Estátuas para Masongi (1993) Introversão versus Extroversão (1995) ou Ogros… da Oratura… e do Fantástico (2008), e com a intenção de deslocar a dança para fora dos palcos interiores dos teatros, a CDC Angola introduz o público a diferentes formas e conceitos de espectáculo. A utilização da dança como meio de intervenção social, expondo o Homem enquanto cidadão do mundo e protagonista da cena social angolana, é a marca desta companhia, como revelado nas peças Mea Culpa (1992); Imagem & Movimento (1993), Palmas, por Favor! (1994); Neste País… (1995), Agora não dá! ‘Tou a Bumbar… (1998), Os Quadros do Verso Vetusto (1999), O Homem que chorava sumo de tomates (2011), Solos para um Dó Maior (2014), Ceci n’est pas une porte (2016) e, agora, O monstro está em cena (2018). Divulgar, surpreender, ensinar, provocar e contribuir para a educação estética do público, trazendo-o à apreciação das artes são os grandes objectivos desta companhia angolana, para o que complementa a sua acção artística com a realização de workshops, seminários, palestras, encontros, aulas abertas e outros programas de educação e divulgação da dança. Hoje, com 26 anos de existência e ainda pouco compreendida no seu país, a CDC Angola procura a internacionalização como forma de validação do seu trabalho no exterior de Angola, onde é reconhecido.
Para além das apresentações no país, a Companhia de Dança Contemporânea de Angola partilhou já os seus espectáculos com 15 países e 31 cidades, em África, América, Europa e Ásia, onde foi vivamente aplaudida.

Duração: 60’
Classificação etária: M/12
Preço: 6€ | 3€ para jovens e séniores