1 Oct./out. | 18:30
Venue/local: Fnac Chiado
session commentary by Prof. Doctor Ana Macara/sessão comentada pela Profª. Doutora Ana Macara

11 Oct./out. | 18:00
Venue/local: Cine-Teatro da Academia Almadense
with the live participation of Csilla Nagy CANCELED/com a participação ao vivo de Csilla Nagy CANCELADA

16 Oct./out. | 17:00
Venue/local: Fnac Almada

 

Ana Macara was a dancer, choreographer, and worked free lance, led Grupo de Dança Atitudes e Movimentos and later the Companhia 4º Colectivo. Currently artistic co-director of Quinzena de Dança de Almada.
Associate Professor, retired from FMH-Universidade de Lisboa, where she worked between1983 and 2015. Researcher at FMH, Instituto de Musicologia – Música e Dança (INET-MD).

Ana Macara foi bailarina, coreógrafa, trabalhou como free lance, dirigiu o Grupo de Dança Atitudes e Movimentos e mais tarde a Companhia 4º Colectivo. Presentemente co-diretora artística da Quinzena de Dança de Almada.
Professora Associada, aposentada da FMH-Universidade de Lisboa, onde trabalhou desde 1983 até 2015. Investigadora do pólo FMH do Instituto de Musicologia – Música e Dança (INET-MD).

 

Video Dance Showcase/Mostra de Videodança
Loves and Quarrels/Amores e Desamores

Liaisons and separations, connections and disconnections, pieces of life depicted on the screen. Everlasting themes, subjective and universal, real or imaginary situations, different approaches to sentimental relations.

Ligações e separações, enlaces e desenlaces, pedaços de vida retratados na tela. Temas subjetivos e universais, situações reais ou imaginárias, diferentes abordagens sobre relações amorosas e sentimentais.

 

Joel O’Donoghue and Lorea Burge Badiola
Joel O’Donoghue / Lorea Burge Badiola / Thibaut Rãs |FR|

Choreographer: Joel O’Donoghue and Lorea Burge Badiola
Video Director: Thibaut Ras
Producer: All we can do
Duration: 2’34’’

Just across the street from the famous Sadler’s Wells Theatre in London is the Shakespeare’s Head Pub. Joel & Lorea are familiar with both places. And since they actually met behind a bar, a typical English pub seemed like the right place to film this playful improvisation. This short-film is part of a series called Europa Dance – London. We met with 9 dancers & choreographers active on the UK dance scene, to share a moment with each one of them by realizing one portrait a week through the city.

Joel O’Donoghue – Having worked with contemporary dance artists such as Ben Wright, Tara D’Arquian and Matteo Fargion, Joel has developed an extensive movement vocabulary, and explored a range of innovative contemporary dance techniques for creating and performing. Working with Phelim McDermott during the opera The Perfect American also had a significant impact on his choreographic longines master replica watches work, by introducing him to theatre practice in movement. This, along with his interest in music, is something that he wishes to develop further. Joel graduated from LABAN in 2012 with a first-class hons degree in Dance Performance and has since choreographed and toured works internationally.

Lorea Burge Badiola is an independent Dance Artist, co-founder and member of Backspace Collective. She trained at Trinity Laban Conservatoire for Music and Dance, during which time she worked with a variety of artists and choreographers including Zoi Dimitriou, Marting Hargreaves and Henrietta Hale. Since graduating, she has been performing for Marina Collard, Susan Sentler, Polka Theatre, Seke Chimutengwende & Friends, and most recently Charles Linehan. Her own work with Backspace Collective often involves improvisation and collaboration with live music and different art forms.

Musician, sound engineer, director and founder of a music production company, Thibaut Ras is self-taught and enjoys a varied career. Having started producing video clips when he was not yet 20, he soon turned to other formats. He gained experience as head cameraman, video editor and director of several short films. Thibaut specializes in shooting, editing and lighting techniques in parallel with his directing skills. From video clips to documentaries and fiction, his works are sincere and contemporary. Over time he has discovered a passion for shooting and editing dance films to which he currently dedicates a big part of his time. He co-founded the All we can do is dance project with Bertrand Guerry, a series of dance films shot with dancers improvising in a city. To this date, 100 episodes of All we can dance have been made in London, Paris, Lyon, Lille, Brussels, Luxembourg… Recently he directed the dance film In London which won the Nuria Font Award at Fiver International Screendance Movement Festival.

/

Coreografia: Joel O’Donoghue e Lorea Burge Badiola
Realização: Thibaut Ras
Produção: All we can do
Duração: 2’34’’

Do outro lado da rua do famoso Sadler’s Wells Theatre, em Londres, fica o pub Shakespeare’s Head. Joel e Lorea conhecem muito bem ambos os lugares. E como se conheceram quando trabalhavam a servir atrás do bar num pub típico inglês pareceu-lhes o sítio certo para filmar esta divertida improvisação. Esta curta-metragem faz parte de uma série chamada “Europa Dance – London”. Reunimo-nos com 9 bailarinos e coreógrafos ativos no cenário da dança no Reino Unido para partilhar alguns momentos com cada um deles através da realização de um retrato por semana na cidade.

Joel O’Donoghue – O facto de ter trabalhado com artistas de dança contemporânea, tais como Ben Wright, Tara D’Arquian e Matteo Fargion, permitiu-lhe desenvolver um extenso vocabulário de movimentos e explorar um conjunto de técnicas de dança contemporânea inovadoras a nível da criação e interpretação. O trabalho desenvolvido com Phelim McDermott durante a ópera “The Perfect American” teve igualmente um impacto significativo no seu trabalho coreográfico, ao abrir-lhe as portas da prática teatral em movimento. Isto e o seu interesse pela música é algo que deseja continuar a desenvolver. Joel concluiu o curso no LABAN em 2012 com a classificação de muito bom com distinção em Interpretação de Dança e, desde então, tem coreografado e apresentado o seu trabalho internacionalmente.

Lorea Burge Badiola é uma bailarina independente, cofundadora e membro do coletivo Backspace Collective. Formou-se no Conservatório de Música e Dança Trinity Laban, período durante o qual trabalhou com vários artistas e coreógrafos, incluindo Zoi Dimitriou, Marting Hargreaves e Henrietta Hale. Desde a sua graduação, tem trabalhado como intérprete para Marina Collard, Susan Sentler, Polka Theatre, Seke Chimutengwende & Friends e, mais recentemente, Charles Linehan. O seu próprio trabalho com o Backspace Collective envolve frequentemente improvisação e colaboração com música ao vivo e diferentes formas de arte.

Músico, engenheiro de som, realizador e fundador de uma produtora de música, Thibaut Ras é autodidata com uma carreira variada. Começou a produzir videoclips quando ainda não tinha 20 anos e pouco depois começou a experimentar outros formatos. Adquiriu experiência como operador de câmara principal, editor de vídeo e realizador de várias curtas-metragens. Thibaut especializou-se em técnicas de filmagem, edição e iluminação paralelamente à aquisição de competências em realização. Desde videoclips a documentários e ficção, o seu trabalho é sincero e contemporâneo. Ao longo do tempo descobriu a paixão por filmar e editar filmes de dança, aos quais dedica atualmente uma grande parte do seu tempo. Junto com Bertrand Guerry, cofundou o projeto “All we can do is dance”, uma série de filmes de dança com bailarinos a improvisar numa cidade. Até ao momento já foram realizados mais de 100 episódios de “All we can do is dance” em Londres, Paris, Lyon, Lille, Bruxelas, Luxemburgo… Recentemente realizou o filme de dança “In London”, que ganhou o prémio Nuria Font no Fiver International Screendance Movement Festival.

http://www.allwecando.net/

 

Muze
Joël Rony Ndinga / Liudmila Komrakova |RU|

Choreographer: Joël Rony Ndinga
Video Director: Liudmila Komrakova
Producer: Liudmila Komrakova
Duration: 5’10’’

The famous musician who is in creative crisis unexpectedly finds on the balcony a girl with wings – the Muze. How will he dispose of the inspiration got from her?

Joël Rony Ndinga was born in 1986 in Congo Brazzaville. He studied as a graphic and sound-engineer. He undertook a number of projects as a music-producer. After which he went on to develop as a sound-engineer and music-producer. He studied in Russia where he graduated as musical sound-engineer. It was there that he became acquainted with dance thanks to his mother. She was dancing tango and Rony followed in her footsteps, in 2014 becoming champion of Russia in the milonguero category which he then began to teach. In 2017 he travelled to Argentina to perform and further study tango with some famous teachers including Julio Balmaceda and Graziela Gonzales. Back in Russia he opened his own dance school situated in St-Petersburg and gives seminars of tango around the world.

Liudmila Komrakova is a self-taught director who performs as an amateur in this area, but whose work has been received with great success in several international film and video festivals. Her first work, “Taste of Night”, won the prize for “Best Horror Video” do L.A. Music Video Awards, was selected for the World Cup 2018 of Dance Video from the Saint-Petersburg International Film Festival and won the Award for The Best Musical Video in the III Caribbean Sea International Film Festival. The biggest part of the team are not professional filmmakers, but the operator has education in the field. All the staff works for the idea and the biggest part of the expenses goes to the video equipment.

/

Coreografia: Joël Rony Ndinga
Realização: Liudmila Komrakova
Produção: Liudmila Komrakova
Duração: 5’10’’

Um músico famoso a passar por uma crise criativa encontra inesperadamente na varanda uma rapariga com asas – a Musa. Como irá ele usar a inspiração que obteve dela?

Joël Rony Ndinga nasceu no Congo-Brazzaville, em 1986. Estudou artes gráficas e engenharia de som. Realizou inúmeros projetos como produção de música. Depois disso decidiu aperfeiçoar as suas competências em engenharia de som e produção de música. Decidiu estudar na Rússia onde se graduou como engenheiro de som musical. Foi também na Rússia que entrou no mundo da dança pelas mãos de sua mãe. Ela começou a dançar tango e Rony juntou-se a ela. Sagrou-se campeão da Rússia na categoria milonguero em 2014, tendo começado a ensinar este estilo de dança. Em 2017 foi para a Argentina para dançar e aprender mais sobre tango com alguns professores famosos como Julio Balmaceda e Graziela Gonzales. Quando regressou à Rússia abriu a sua própria escola de dança em São Petersburgo e realizou inúmeros seminários de tango por todo o mundo.

Liudmila Komrakova é uma autodidata na realização, que se apresenta como amadora nesta área, mas cujo trabalho tem sido recebido com grande sucesso em vários festivais internacionais de filme e vídeo. O seu primeiro trabalho, “Taste of Night”, ganhou o prémio “Best Horror Video” do L.A. Music Video Awards, foi selecionado para o World Cup 2018 of Dance Video do Saint-Petersburg International Film Festival e foi distinguido com o prémio de Melhor Vídeo Musical no III Caribean Sea International Film Festival. A maioria dos elementos da equipa não são realizadores profissionais, mas o operador tem formação na área. Toda a equipa trabalha e contribui para a ideia e a maioria das despesas são com a aquisição de equipamento de vídeo.

 

@foto Juan Enrique Vilz

Sachliche Romanze
Tomer Zirkilevich / Juan Enrique Vilz, |DE/IL|

Choreographer: Tomer Zirkilevich
Video Director: Tomer Zirkilevich and Juan Enrique Vilz
Producer: Tomer Zirkilevich and Ronja Häring
Duration: 8’

Same old me, lying down, trying to get up, slowly
I can’t. Not today. Too heavy…
That’s what you said yesterday.
You’re weak.
Etta is playing. Is it the radio, is it me?
I get up, I fall. I walk around. I fall. I fall heavier.
I want to crash, I want to suffer, I don’t want help, I don’t need help.
I need to fall to be able to continue.
I’m scared to be alone…
Listening to Etta, realizing that I have the power, I have the control.
It’s a game, so play it! Throw yourself!
I’m throwing myself, I’m falling, crashing over and over…
Walking with no purpose.
Fighting against Etta

“When the reflection in the glass that I held to my lips, revealed the tears that was on my face”

No tears, I know I can control it but I don’t know how. That’s funny.
Keep falling. No! Get up you’re losing it!
I’m losing my mind.
Everything comes out…
Do you wanna hear a poem?

Tomer Zirkilevich is an Israeli choreographer, director, performer and teacher, based in Berlin. Graduate of The School of Dance Arts of Kibbutzim College, Tel-Aviv;
Choreographer of the Piece “Infidelity: A love story”; Choreographer and dancer in the pieces: “Like Father Likes Son (part 2),”LOVERS1” together with Shlomo Lieberman, “What have I got?”; Co-creator of the piece “Un/Known” with Sharon Hilleli-Assa; Choreographer and director of the piece “Auf Wiedersehn”; Co-creator and performer of the piece “Tigers” by Sharon Reshef Armony; Creator and dancer of the piece “Like Father Likes Son” (part 1); Artistic director and choreographer of the educational theatre project: “Lechaim das Leben” together with Sveta Azriel.

Juan Enrique Vilz was born in Monterrey, Mexico. After getting his BFA in filmmaking from CENTRO, in Mexico City, he moved to Paris, working mostly as an editor. He has worked for VICE, Vivienne Westwood, Thom Browne, November Magazine, ASVOFF. He produced a short film in collaboration with artist Analisa Teachworth and musician Lafawndah and edited the Australian documentary “Scrum”. Juan is based in Berlin where he is head of video department in a communication agency. in 2017 he wrote and directed the short film “Dead Nature”.

/

Coreografia: Tomer Zirkilevich
Realização: Tomer Zirkilevich e Juan Enrique Vilz
Produção: Tomer Zirkilevich e Ronja Häring
Duração: 8’

Sou o mesmo de sempre, deitado, a tentar levantar-me, lentamente.
Não consigo. Hoje, não. Demasiado pesado…
Isso foi o que disseste ontem.
És fraco.
A Etta está a tocar. Será o rádio, serei eu?
Levanto-me, caio. Ando. Caio. Caio desamparado.
Quero desmoronar-me, quero sofrer, não quero ajuda, não preciso de ajuda.
Preciso de cair para conseguir continuar.
Tenho medo de estar sozinho…
A ouvir Etta, tomando consciência de que tenho o poder, tenho o controlo.
É um jogo, por isso joga-o! Atira-te!
Estou a atirar-me, estou a cair, a desmoronar-me vez após vez…
A andar sem rumo.
A lutar contra Etta

“Quando o reflexo do copo que tinha encostado aos lábios revelou as lágrimas no meu rosto”

Sem lágrimas, sei que consigo controIá-las, mas não sei como. Que engraçado.
Continua a cair. Não! Levanta-te, estás a perder o controlo!
Estou a enlouquecer.
Tudo sai…
Querem ouvir um poema?

Tomer Zirkilevich é um coreógrafo, realizador, intérprete e professor israelita, que vive em Berlim. Diplomado pela The School of Dance Arts do Kibbutzim College, Telavive;
Coreografou a peça “Infidelity: A love story”; coreografou e interpretou as peças: “Like Father Likes Son (part 2),”LOVERS1” junto com Shlomo Lieberman, “What have i got?”; cocriou a peça “Un/Known” com Sharon Hilleli-Assa; coreografou e realizou a peça “Auf Wiedersehn”; cocriou e interpretou a peça “Tigers” de Sharon Reshef Armony; criou e dançou a peça “Like Father Likes Son” (part 1); foi diretor artístico e coreógrafo do projeto de teatro didático: “Lechaim das Leben” junto com Sveta Azriel.

Juan Enrique Vilz nasceu em Monterrey, México. Depois de obter o seu BFA em realização cinematográfica no CENTRO, Cidade do México, mudou-se para Paris, onde trabalhou maioritariamente como editor. Trabalhou para VICE, Vivienne Westwood, Thom Browne, Novembre Magazine, ASVOFF. Produziu uma curta-metragem em colaboração com a artista Analisa Teachworth e a música Lafawndah e editou o documentário australiano “Scrum”. Juan vive em Berlim, onde desempenha as funções de diretor do departamento de vídeo de uma agência de comunicação. Em 2017, escreveu e realizou a curta-metragem “Dead Nature”.

www.tomerzirki.com

 

In search of lost time
Marta Renzi |US|

Choreographer and Video Director: Marta Renzi
Producer: Wooden Toy Production
Duration: 8’44’’

A man and a woman inhabit the same surreal location though not, apparently, at the same time. Marta Renzi directs this black-and-white meditation on memory and absence, joined by long-time collaborator Charles Caster-Dudzick (camera), as well as Aislinn MacMaster & David Thomson (performers). With a nod to the soundscore for Andrei Tarkovsky’s Stalker and the location of La Chambre by Joelle Bouvier and Regis Obadia.

Marta Renzi has made more than 75 dances for her Project Company, as well as creating work for groups across the U.S. and abroad, including the Wagon Train Project in Nebraska, Balletteatro in Portugal – and Ben & Jerry’s dancing ice cream flavours.
Her site-specific pieces in locations such as the Guggenheim Museum, Union Station and the Staten Island Ferry, led naturally to her work in video and film.
In 1981 “You Little Wild Heart”, to music by Bruce Springsteen, was Marta’s first half-hour for television, followed by “Mountainview”, made in 1989 in collaboration with independent filmmaker John Sayles. Since 2005 she has self-produced over two dozen short video dances, which have shown at film festivals nationally and internationally. Her début feature film “Her Magnum Opus” was released in 2017.

/

Coreografia e realização: Marta Renzi
Produção: Wooden Toy Production
Duração: 8’44’’

Um homem e uma mulher habitam o mesmo lugar surreal, embora, aparentemente, não ao mesmo tempo. Marta Renzi realiza esta meditação a preto e branco sobre a memória e a ausência, em conjunto com um colaborador de longa data Charles Caster-Dudzick (câmara) e Aislinn MacMaster e David Thomson (intérpretes). Com referência à paisagem sonora do filme “Stalker” de Andrei Tarkovsky e à localização da curta-metragem “La Chambre” de Joelle Bouvier e Regis Obadia.

Marta Renzi criou mais de 75 danças para a sua Project Company, além de ter criado trabalhos para grupos nos EUA e no estrangeiro, incluindo Wagon Train Project em Nebraska, Balleteatro em Portugal e os gelados dançantes da Ben & Jerry.
As suas peças “site specific” em locais como o Guggenheim Museum, Union Station e Staten Island Ferry conduziram naturalmente ao seu trabalho na área do vídeo e do cinema.
Em 1981 realizou a sua primeira produção televisiva, “You Little Wild Heart”, com música de Bruce Springsteen, com uma duração de meia hora, seguida de “Mountainview”, realizada em 1989, em colaboração com o cineasta independente John Sayles. Desde 2005 autoproduziu mais de duas dúzias de videodanças curtas, que foram mostradas em festivais de cinema, tanto a nível nacional como internacional. A sua longa-metragem de estreia “Her Magnum Opus” saiu em 2017.

www.mariannekim.com

 

@foto Katie Yu

30-LOVE
Claire French / Allison Beda |CA|

Choreographer: Claire French
Video Director and Producer: Allison Beda
Composer: Teresa Connor
Duration: 6’

A bitter-sweet dance film poem about the rise and demise of a long-distance relationship that plays out over a game of tennis.

Claire French is a choreographer and dance instructor. Her choreographic works have been presented across Canada, Europe, and the UK. These works range from solos to ensemble performances. Beyond her self-initiated projects, her work has been commissioned by opera companies, performing arts colleges, universities, professional dance companies, solo artists, theatre companies, film-makers, commercial enterprise, theatres, and interdisciplinary organizations. Claire was Dance Artist in Residence/Teaching Fellow at Leeds University, UK Claire is currently choreographing a series of dance films, and was an artist in residence at The (Vancouver) Dance Centre. In partnership with TDC she has designed Project CPR, a new choreographic practice and research project for young professional dance artists.

Writer/Director Allison Beda turned her first career as a fashion model into the feature documentary How To Be A Model (which critics deemed “an intriguing insider look filled with shattered stereotypes”). Ms. Beda has a penchant for delightfully, deliriously, awesomely messed-up and (sometimes) pathetic characters, and her company A Muse Productions loves making films about women who make trouble! Allison is also deeply passionate about film as choreography and her ongoing exploration of the intersection of film, comedy and dance: Her short film Just A Minute played as part of the Winter Olympics, and her BravoTV commission film 30-LOVE has toured Europe and South America. Allison received a Legacy Award for “Outstanding Achievement in Film” for her short 9-1-Mum, she recently directed a series pilot called Sleeping With The Dead, (which won “Best Spoof” at the AOF Film Festival) and the screwball comedy feature film she adapted from the novel Unpredictable Is a Screencraft Screenplay comedy finalist.

/

Coreografia: Claire French
Realização e produção de vídeo: Allison Beda
Composição: Teresa Connor
Duração: 6’

Um poema/filme de dança agridoce sobre o nascer e a morte de uma relação à distância equiparada a um jogo de ténis.

Claire French é coreógrafa e professora de dança. O seu trabalho coreográfico tem sido apresentado no Canadá, na Europa e no Reino Unido. A sua obra engloba desde solos a interpretações de grupo. Além dos projetos que ela própria iniciou, tem realizado trabalhos encomendados por companhias de ópera, estabelecimentos de ensino superior em artes performativas, universidades, companhias profissionais de dança, artistas solo, companhias de teatro, cineastas, empresas comerciais, teatros e organizações interdisciplinares. Claire realizou uma Residência Artística de Dança/foi Professora-Bolsista na Universidade de Leeds, Reino Unido. Atualmente, encontra-se a coreografar uma série de filmes de dança e foi artista em residência no The Dance Centre (Vancouver). Em parceria com o TDC concebeu “Project CPR”, um novo projeto de investigação e prática coreográfica para jovens bailarinos profissionais.

A escritora/realizadora Allison Beda transformou a sua primeira carreira como modelo no documentário de longa-metragem “How To Be A Model” (considerado pelos críticos como “uma visão intimista e intrigante em que são destruídos estereótipos”). Beda tem uma predileção por personagens que são, de uma forma charmosa, alucinante e espantosa, “complicadas” e (por vezes) patéticas e a sua companhia A Muse Productions adora realizar filmes sobre mulheres que causam problemas! Allison nutre também uma profunda paixão sobre o filme enquanto coreografia e pela exploração contínua da intersecção entre filme, comédia e dança: A sua curta-metragem “Just A Minute” foi mostrada nas Olimpíadas de Inverno e o seu filme “30-LOVE” encomendado pela BravoTV foi mostrado na Europa e na América do Sul. Allison recebeu um Legacy Award “Realização notável em filme” pela sua curta-metragem “9-1-Mum”, recentemente realizou o episódio-piloto de uma série chamada “Sleeping With The Dead” (distinguido na categoria “Melhor paródia” no AOF Film Festival) e o filme de comédia maluca por ela adaptado a partir do romance “Unpredictable” foi finalista no concurso Screencraft Screenplay comedy.

www.a-muse-productions.com

 

@foto Jota Rafaelli

Hold Me
Edson Fernandes / Cíntia Pimentel |BR|

Choreography: Edson Fernandes
Director: Cíntia Pimentel
Producer: Rafael Bolacha
Duration: 4’08’’

Acceptance of limits of your own condition as a chronic patient, the acceptance of the other and a vision of society with all its rules; adapt, expose or hide?

Internal conflicts and relationships where emotions and feelings now seek solitude and introspection, now want to shout out to the world. The courage to face your reality and the courage to share …

“Hold Me” is inspired by the choreography of Edson Fernandes for the show “Da Razão do Vermelho” and, in this format of Video Dance, brings fragments of the relationships covered in the project A Positive Life.

Edson Fernandes was part of the Dorcinha Group in Uberaba, Brazil, the Beth Dorça group and the Distrito Cia. De Dança in Ribeirão Preto – SP. He choreographed for Cia. Dança Vida. In 2008 he participated in the 8th Contemporary Dance Showcase of Joinville. He’s choreographed for countless groups and companies such as: Ribeirão Preto Cia. De Dança, Cia. Masculina Jair Moraes, Continuato Cia. De Dança, Grupo Finac de Ribeirão Preto and others. In 2010 he was assistant director of Companhia de Dança de Aveiro in Portugal. He’s won countless awards during his career: best choreography, choreographer, best new choreographer at festivals such as Joinville, Dança Ribeirão, Passo de Arte. In 2009 he was nominated for the best dance performance award in the State of São Paulo, for the Dance Theatre piece “ASPAS”. He is currently part of J. Garcia Cia. De Dança Contemporânea and GRUA – Gentlemen de Rua Coletivo, both directed by Jorge Garcia.

For over 10 years, Cíntia Pimentel has worked professionally as a dancer for the corps de ballet of Teatro Municipal do Rio de Janeiro, Focas Cia de Dança and Déborah Colker Cia Dança. In order to expand her language, she’s developed parallel to dance, studies and works focused on video and photography. Of her works, the highlights are the documentary Orquestra Jovem Paquetá – Turnê Alemanha, teaser of the dance show “Da Razão do Vermelho”, editing and finalization of the fiction short “DIA 1” and institutional video montages that value the importance of education in Brazil.

/

Coreografia: Edson Fernandes
Realização: Cíntia Pimentel
Produção: Rafael Bolacha
Duração: 4’08’’

Aceitação de limites, de sua própria condição de doente crónico, a aceitação do outro e a visão da sociedade com todas as suas regras; adaptar-se, expor-se ou esconder-se?

Conflitos internos e de relações onde as emoções e sentimentos ora buscam a solidão e a introspecção, ora querem gritar para o mundo. A coragem de encarar sua realidade e a coragem de compartilhar…

“Hold Me” é inspirado na coreografia de Edson Fernandes para o espetáculo “Da Razão do Vermelho” e, nesse formato de Videodança, traz fragmentos das relações abordadas no projeto Uma Vida Positiva.

Edson Fernandes foi integrante do grupo Dorcinha em Uberaba – MG, do grupo Beth Dorça e da Distrito Cia. De Dança em Ribeirão Preto-SP. Coreografou para a Cia. Dança Vida. Em 2008 Participou da 8º Mostra de Dança Contemporânea de Joinville. Coreografou para inúmeros grupos e Cias. como: Ribeirão Preto Cia. De Dança, Cia. Masculina Jair Moraes, Continuato Cia. De Dança, Grupo Finac de Ribeirão Preto entre outras. Em 2010 foi Assistente de Direção da Companhia de Dança de Aveiro em Portugal. Inúmeros prêmios fazem parte de sua trajetória: melhor coreografia, coreógrafo, coreógrafo revelação em festivais como Joinville, Dança Ribeirão, Passo de Arte. Em 2009 foi indicado ao prêmio de melhor espetáculo de dança do Estado de São Paulo, pelo Teatro da Dança com o trabalho “ASPAS”. Atualmente faz parte da J. Garcia Cia. De Dança Contemporânea e da GRUA-Gentlemen de Rua Coletivo, ambas dirigidas por Jorge Garcia.

Ao longo de 10 anos, Cíntia Pimentel atuou profissionalmente como bailarina do Corpo de Baile do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, Focus Cia de Dança e Déborah Colker Cia Dança. Com o intuito de ampliar sua linguagem, desenvolveu paralelamente à dança, estudos e trabalhos voltados para vídeo e fotografia. Em seus trabalhos destaca o documentário Orquestra Jovem Paquetá – Turnê Alemanha, teaser do espetáculo de dança “Da Razão do Vermelho”, Edição e finalização do curta de ficção “DIA 1” e montagens de vídeos institucionais que valorizam a importância da educação no Brasil.

www.umavidapositiva.com.br

 

Beached
Jennifer Fletcher / Christopher Preece |IT/UK|

Choreographer: Jennifer Fletcher
Video Director: Christopher Preece
Producer: The Mostly Everything People
Duration: 8’30’’

Beached: (noun) abandoned / deserted / marooned / stranded / wrecked / aground / high and dry.

Jennifer Fletcher graduated from LABAN with a BA Hons in Dance Theatre. Since then she has been working in Theatre, Opera, Comedy, Dance and Film as Choreographer and Movement director. Her work has been presented in Germany, Sweden, Italy, Spain, Portugal, USA, Scotland, Wales and England. Alongside this Jennifer co-founded and continues to direct theatre companies; ‘The Mostly Everything People’ and ‘NOVA’.

Christopher Preece is a composer and theatre maker. Trained in composition, jazz drums, and piano he makes music for theatre and film and performs with/co-directs “The Mostly Everything People”.

/

Coreografia: Jennifer Fletcher
Realização: Christopher Preece
Produção: The Mostly Everything People
Duração: 8’30’’

Encalhado (Beached): (sub.) abandonado / desamparado / naufragado / preso no fundo.

Jennifer Fletcher conclui o seu BA no LABAN com especialização em Dança-Teatro. Desde então tem trabalho em Teatro, Ópera, Comédia, Dança e Cinema como coreógrafa e diretora de movimento. O seu trabalho tem sido apresentado na Alemanha, Suécia, Itália, Espanha, Portugal, EUA, Escócia, País de Gales e Inglaterra. Adicionalmente, Jennifer cofundou e continua a dirigir as companhias de teatro “The Mostly Everything People” e “NOVA”.

Christopher Preece é compositor e dramaturgo. Com formação em composição, bateria de jazz e piano, compõe música para teatro e cinema e trabalha como intérprete/codiretor da companhia “The Mostly Everything People”.

www.themostlyeverythingpeople.com

 

Karma Milonga
Csilla Nagy / Mátyás Tóth |HU|

Choreographer: Csilla Nagy
Video Director: Csilla Nagy and Mátyás Tóth
Producer: Mátyás Tóth / Cipolla Collectiva
Duration: 1’

It is a fate dance about the Anima and Animus.

The film is in the Norwegian TOP 10 selection in the program of 60secondsdance.

Csilla Nagy is a dancer, choreographer and teacher. She studied at the Hungarian Dance Academy and at CODARTS- Rotterdam Dance Academy. Since 2008 she has been collaborating with ARTUS – Gábor Goda Company. Between 2013-2015 she joined to L1 Association. Since 2012 she has been creating with Cipolla Collectiva as the leader of the collective.

Mátyás Tóth is a musician, photographer and video artist collaborator of the Cipolla Collectiva.

/

Coreografia: Csilla Nagy
Realização: Csilla Nagy e Mátyás Tóth
Produção: Mátyás Tóth / Cipolla Collectiva
Duração: 1’

É uma dança sobre a Anima (alma) e o Animus (espírito).

O filme ficou na seleção TOP 10 norueguesa do concurso 60secondsdance.

Csilla Nagy é bailarina, coreógrafa e professora. Realizou os seus estudos na Hungarian Dance Academy e na CODARTS – Rotterdam Dance Academy. Colabora desde 2008 com a ARTUS – Gábor Goda Company. No período 2013-2015 juntou-se a fundação L1 Association. Trabalha desde 2012 com Cipolla Collectiva enquanto líder do coletivo.

Mátyás Tóth é músico, fotógrafo e artista de vídeo, colaborador do coletivo Cipolla Collectiva.

www.cipollacollectiva.hu

Both comments and pings are currently closed.