INTERNATIONAL PLATFORM FOR CHOREOGRAPHERS |
PLATAFORMA COREOGRÁFICA INTERNACIONAL

PLATAFORMA COREOGRÁFICA INTERNACIONAL – PROGRAMME 3

The International Platform for Choreographers represents a showcase of contemporary dance, where different approaches and trends intersect, allowing not only exposure to the public and international programmers, but also the exchange between more than eighty professionals from various countries, between creators, dancers, technicians and programmers who gather here.

/

PLATAFORMA COREOGRÁFICA INTERNACIONAL – PROGRAMA 3

A Plataforma Coreográfica Internacional representa uma montra da dança contemporânea, onde se cruzam diferentes abordagens e tendências, permitindo não apenas a exposição ao público e programadores internacionais, como o intercâmbio entre mais de oitenta profissionais de vários países, entre criadores, bailarinos, técnicos e programadores que aqui se reúnem.

2 Oct./out. | Saturday/ sábado | 5:30PM/ 17:30

Auditório Osvaldo Azinheira – Academia Almadense

YOU MINE, Patrizia Cavola and/e Ivan Truol |IT|

Concept, Choreography and Direction: Patrizia Cavola – Ivan Truol
Performance: Patrizia Cavola, Ivan Truol 
Music composition: Epsilon Indi
Tenor voice: Roberto Manuel Zangari
Costumes: Medea Labate 
Lighting: Danila Blasi

Management and Distribution: Theatron 2.0
Artistic residency: La Scatola dell’Arte
Production: Atacama

Supported by MiBACT Ministero dei Beni e delle Attività Culturali e del Turismo (Ministry of Cultural Heritage and Activities and Tourism) and by Regione Lazio, Assessorato alla Cultura e alle Politiche Giovanili, Lazio Region, Council for Culture and Youth.

“You Mine” springs from the desire to focus on the Two again, on the relationship between a man and a woman, by plunging into the depths of the dynamics between them. Being a man and being a woman, male and female, the meeting of genders, one completing the other, love, fusion, possession, control, and losing the limits of one’s Self. The degeneration of the relationship; competition and self-harm. Aggression, humiliation, the strongest destroys the weakest. Violence insinuates as a poison, leading to annihilation. Violence against the woman, femicide, gender violence. Bluebeard, Monster, Ogre. Illness. Murder.

Atacama Dance Company was born from the meeting of the dancer and choreographer Patrizia Cavola and the dancer, choreographer and actor Ivan Truol in 1997. Since October 2009, they have been the Artistic Directors of the company’s artistic residency, the Centre of Training and Production La Scatola dell’Arte in Rome. They have also had the Artistic Direction for the Paesaggi del Corpo – International Contemporary Dance Festival since 2019.

Duration: 20’

Website: www.compagniaatacama.it 

/

Conceito, Coreografia e Direção: Patrizia Cavola e Ivan Truol
Interpretação: Patrizia Cavola, Ivan Truol
Composição musical: Epsilon Indi
Tenor: Roberto Manuel Zangari
Figurinos: Medea Labate
Design de Luz: Danila Blasi

Gestão e distribuição: Theatron 2.0
Residência artística: La Scatola dell’Arte
Produção: Atacama

Apoiado pelo MiBACT (Ministério Italiano do Património Cultural e Atividades e Turismo) e por Regione Lazio, Assessorato alla Cultura e alle Politiche Giovanili, Lazio Region, Conselho de Cultura e Juventude

“You Mine” emerge do desejo de focar de novo no Dois, na relação entre um homem e uma mulher, mergulhando nas profundezas da dinâmica que surge entre eles. Ser homem e ser mulher, masculino e feminino, o encontro dos géneros. A degeneração do relacionamento, competição e automutilação. Agressão, humilhação, o mais forte destrói o mais fraco. A violência insinua-se como um veneno, levando à aniquilação. Violência contra a mulher, feminicídio, violência de género. Barba Azul, Monstro, Ogro. Doença. Assassinato.

A Companhia de Dança Atacama nasceu do encontro da bailarina e coreógrafa Patrizia Cavola com o bailarino, coreógrafo e ator Ivan Truol em 1997. Desde outubro de 2009, eles são os Diretores Artísticos da residência artística da companhia, o Centro de Formação e Produção La Scatola dell’Arte em Roma. Também assumem a Direção Artística do Paesaggi del Corpo – Festival Internacional de Dança Contemporânea desde 2019.

Duração: 20’

MATKI, Anaïs Van Eycken |BE|

photo/foto: Wolfgang Raabe

Choreography: Anaïs Van Eycken
Performance: Karolina Kardasz

Matki is about a woman whose life may change.
Her cocoon is tearing apart.
She stumbles.
She practices.
She stands.
At the end, a decision has to be made.
Woman and/or a mother?

Compagnie Irene K. is a contemporary dance company founded in 1978 in Eupen (Belgium) by its art director Irène Borguet-Kalbusch. Choreographies don’t want to be narrative. The spaces open in all directions, always creating new constellations. The human being – his desires, his fears, his visions – underlies this work. From the very beginning, the company has been working with professional dancers of many different nationalities. The Company has adopted an own style that can be attributed to contemporary dance theatre close to the “Tanztheater”.

Anaïs Van Eycken (1988) is a Belgian contemporary dancer and choreographer.She started her contemporary dance education at De Kunsthumaniora Wilrijk at the ageof 14. Straight after graduating art school, she got accepted at the renowned danceschool P.A.R.T.S directed by Anne Teresa De Keersmaeker. During thenext four years, Anaïs grew as a dancer by studying the repertory pieces of Rosas, TrishaBrown, William Forsythe, Ultima Vez and many other contemporary artists.Since Anaïs finished her education, she is teaching dance class, creating her own workand dancing in several companies. Today, Anaïs works as a professional dancer withCompagnie Irene K., La Verità Dance Company and Insiemi Irreali with Pietro Marullo. Asa choreographer, she creates multidisciplinary pieces where music, sound andlight effects collide with movement.

Duration: 20’

Website: www.irene-k.be

/

Coreografia: Anaïs Van Eycken
Interpretação: Karolina Kardasz

Matki é sobre uma mulher cuja vida pode mudar.
O seu casulo está-se a desfazer.
Ela cai. Experimenta. Levanta-se.
No final, uma decisão tem que ser tomada.
Mulher e/ou mãe?

Compagnie Irene K. é uma companhia de dança contemporânea fundada em 1978 em Eupen (Bélgica) pela sua Diretora Artística Irène Borguet-Kalbusch. As coreografias não precisam de ser narrativas. Os espaços abrem-se em todas as direções, criando sempre novas constelações. O ser humano – os seus desejos, os seus medos, as suas visões – é a base desta obra. Desde o início, a companhia tem trabalhado com bailarinos profissionais de várias nacionalidades. A Companhia adotou um estilo próprio que pode ser atribuído ao teatro de dança contemporânea junto ao “Tanztheater”.

Anaïs Van Eycken (1988) é bailarina e coreógrafa contemporânea belga.Começou sua formação em dança contemporânea no De Kunsthumaniora Wilrijk com 14 anos. Após a sua formação, foi logo aceite naP.A.R.T.S dirigida por Anne Teresa De Keersmaeker. Durante os quatro anos seguintes, Anaïs cresceu como bailarina estudando peças do repertório de Rosas, TrishaBrown, William Forsythe, Ultima Vez e muitos outros artistas contemporâneos. Desde que terminou a sua formação, tem dado aulas de dança, criando seu próprio trabalhoe dançando em várias companhias. Hoje, Anaïs trabalha como bailarina profissional com a Compagnie Irene K., La Verità Dance Company e Insiemi Irreali. Comocoreógrafa, cria peças multidisciplinares onde música, som e efeitos de luz colidem com o movimento.

Duração: 20’

Website: www.irene-k.be

QUE SER?, Sofia Fitas |PT/FR|

photo/foto: Sofia Fitas

Conception and Performance: Sofia Fitas

Music: Sébastien Jacobs

Light Design: Sofia Fitas & Pierre-Yves Aplincourt

Acknowledgments: Teatro Viriato (Viseu), Companhia Clara Andermatt, Micadanses, Institut Français in Lisbon and Paris, Cité Internationale des Arts in Paris, Compagnie Jasmina, Trafó House in Budapest, HIPP/Dance Week Festival of Zagreb, Journées Danse Dense of Paris, Fundação GDA, Instituto Camões in Paris, Portuguese Embassy in France.

The solo’s conception came about from research into the idea of ​​identity and obstacles. The choreography was developed with a view to achieving the abstraction of the body, that is, deconstructing and analysing the idea of ​​the body we have, not only from an anatomical perspective, but also the idea of ​​the body that we acquire through the different sociocultural contexts in which we operate. From an experimentation through the body and its movement, I tried to create and show other images, other perceptions of it, that could reveal themselves as the expression of possible identities, as well as constraints, obstacles inherent to them, without ever trying to give them a representative or interpretive character.

“Que ser?” (What to be?) was created within the scope of the European Project W-Est_Where (choreographic cooperation project), in which Sofia Fitas represented Portugal. Having as its theme the idea of ​​identity and obstacles, Que Ser? is a strong and intriguing performance that interests, captivates and questions the viewer. The solo was selected for AEROWAVES and performed in several European countries.

Sofia Fitas is a choreographer and performer, working in Paris since 2011. Her work focuses on experimentation and deconstruction of the body and its movement, putting in evidence an interrogation about the individual and their identity, questioning our perception and representation of the body. From her works, the highlights have been: “Fora do Esquecimento” – 1st Prize Young Creators Lisbon 2000, “Experimento 1”- 1st Prize at the 13th Festival MasDanza 2008, “Que Ser?” Selected for Aerowaves 2012, “Experimento 4”,  – Choreographic Creation Scholarship – Association Beaumarchais SACD Paris. Her work has been presented in Portugal, Spain, France, Belgium, Netherlands, Croatia and Hungary.

Association Culturelle Experimento was created in 2011, in Paris, by Sofia Fitas, with the aim of developing, producing and disseminating her artistic work, as well as promoting the development and dissemination of dance, especially contemporary dance. In addition to artistic creation, the Company develops several awareness-raising actions aimed at a varied audience: Open rehearsals; Discussions with the public; Video projections; Contemporary dance classes and workshops, contact-improvisation, yoga, body awareness.

Duration: 19’ 

Website: www.ciesofiafitas.com

/

Conceção e Interpretação: Sofia Fitas  
Música: Sébastien Jacobs  
Desenho de Luz: Sofia Fitas e Pierre-Yves Aplincourt

Agradecimentos: Teatro Viriato (Viseu), Companhia Clara Andermatt, Micadanses, Institut Français de Lisboa e Paris, Cité Internationale des Arts emParis, Compagnie Jasmina, Trafó House de Budapest, HIPP/Dance Week Festival de Zagreb, Journées Danse Dense de Paris, Fundação GDA, Instituto Camões de Paris, Embaixada de Portugal em França.

A concepção do solo partiu de uma pesquisa sobre a ideia de identidade e de obstáculos. A coreografia foi desenvolvida visando alcançar a abstração do corpo, ou seja, desconstruir e analisar a ideia de corpo que temos, não só numa perspectiva anatómica, mas também a ideia de corpo que adquirimos através dos diferentes contextos socioculturais em que nos inserimos. 

A partir de uma experimentação através do corpo e do seu movimento, tentei criar e dar a ver outras imagens, outras percepções do mesmo, que pudessem revelar-se como a expressão de identidades possíveis, assim como de constrangimentos, de obstáculos a elas inerentes, sem nunca procurar dar-lhes um carácter representativo ou interpretativo.

“Que ser?” foi criado no âmbito do Projeto Europeu W-Est_Where (projeto de cooperação coreográfica), no qual Sofia Fitas representou Portugal. Tendo como tema a ideia de identidade e de obstáculo, Que Ser? é uma performance forte e intrigante, que interessa, cativa e questiona o espectador. O solo foi selecionado por AEROWAVES e apresentado em vários países europeus.

Sofia Fitas é coreógrafa e performer, trabalha em Paris desde 2011. O seu trabalho centra-se numa experimentação e desconstrução do corpo e seu movimento, pondo em evidência uma interrogação sobre o indivíduo e a sua identidade, questionando a nossa perceção e representação do corpo. Das suas criações, destaca: “Fora do Esquecimento”, 1°Prémio Jovens Criadores Lisboa 2000; “Experimento 1”, 1°Prémio do 13° Festival MasDanza 2008, “Que Ser?” selecionado para Aerowaves 2012; “Experimento 4”, Bolsa de Criação Coreográfica da Association Beaumarchais, SACD Paris. O seu trabalho tem sido apresentado em Portugal, Espanha, França, Bélgica, Holanda, Croácia e Hungria.

A Associação Cultural Experimento foi criada em 2011, em Paris, por Sofia Fitas, com o objectivo de desenvolver, produzir e difundir o seu trabalho artístico, bem como promover o desenvolvimento e divulgação da dança, principalmente a dança contemporânea. A par a criação artística, a Companhia desenvolve várias ações de sensibilização, dirigidas a um público variado: Ensaios abertos; Discussões com o público; Projeções de vídeos; Aulas e workshops de dança contemporânea, contacto-improvisação, yoga, consciência corporal.

Duração: 19’

Website: www.ciesofiafitas.com

DEIDADE, Mário Santos |PT|

photo/foto: Mário Fs

Choreography: Mário Santos

Performance: Catarina Marques, Janice Palma and Rafaela Soares

From beauty to monstrosity, a war between gods for golden hair, without a single thread of guilt. A false trial to cover up the real culprit. Inhuman and perverse thoughts and actions of perfect beings against the will and permission of an imperfect being.

Born in Leiria in 1998, Mário Francisco Santos started dancing in 2012. Throughout his career, he has been exploring the most varied areas, such as Contemporary Dance, Hip hop, Locking, Popping, Breakdance, New Style, House, Vogue, Wacking, Ragga, Dancehall and Latin Dances.

He is currently finishing his degree in Dance and starting his career in the area of creation.

Duration: 12’

/

Coreografia: Mário Santos
Interpretação: Catarina Marques, Janice Palma e Rafaela Soares

Da beleza à monstruosidade, uma guerra entre deuses por uns cabelos de ouro, que de culpa não apresentam um único fio. Um falso julgamento para encobrir o verdadeiro culpado. Pensamentos e ações desumanas e perversas de seres perfeitos, contra a vontade e permissão de um ser imperfeito.

Nascido em Leiria em 1998, Mário Francisco Santos iniciou-se na dança em 2012. Ao longo do seu percurso, tem vindo a explorar as mais variadas áreas, tais como a dança contemporânea, Hip hop, Locking, Popping, Breakdance, New Style, House, Vogue, Wacking, Ragga, Dancehall e danças latinas. Atualmente está a terminar a licenciatura em dança e a iniciar o seu percurso na área da criação.

Duração: 12’

Total duration/Duração total: Aprox. 80’
Ages/Classificação etária: 6 and above/ Maiores de 6
Price/Preço: 6€ | 3€ for youth and senior citizens/para jovens e seniores

Information/Informações: 212 583 175 | quinzena@cdanca-almada.pt
Tickets and reservations/Reservas: 212 583 175 | reservas.cada@gmail.com