6 Oct./out. | 21:30
Venue/local: Teatro Municipal Joaquim Benite – Sala Experimental

International Platform for Choreographers/Plataforma Coreográfica Internacional
Programme 4/Programa 4

 

@foto Cristina Ministro

Este Corpo Casa
Sofia Moura |PT|

Choreography and performance: Sofia Moura
Music: Dennis Xavier

This Body House that I carry everywhere. This Body House that contains beautiful stories. This Body House that reminds you. It is the thing that dominates, that comforts but also imprisons. How to dance a memory recorded in the body? How to preserve the past? How can we forget it so that new memories can inhabit us? How do we “clean” the house? This journey without time or place is an attempt to understand the ephemerality of the individual we believe to be.

Sofia Moura is an actress, dancer and creator born in 1991. She studied theatre (Performance) at the Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo (Porto), and gained a master’s degree in Music Theatre at the Royal Central School of Speech and Drama in London and a Post Graduate in Contemporary dance from Instituto Politécnico do Porto. Recent credits as a performer include: “Teatro das Compras” by Giacomo Scalisi, “Microglobo – The Smallest Theater in the World”, with Graeme Pulleyn, “Mina” by Companhia Amarelo Silvestre with scenery by Rafaela Santos and “Noite”, from Comedias do Minho with scenery by Graeme Pulleyn.

/

Coreografia e interpretação: Sofia Moura
Música: Dennis Xavier

Este Corpo Casa que carrego para todo o lado. Este Corpo Casa que guarda histórias bonitas. Este Corpo Casa que lembra. É ele o território que se domina, que reconforta mas também aprisiona. Como dançar a memória inscrita no corpo? Como conservar o passado? Como esquecê-lo para que novas memórias nos habitem? Como “limpar” a casa? Esta viagem sem tempo nem lugar é uma tentativa de entender a efemeridade do indivíduo que julgamos ser.

Sofia Moura é atriz, bailarina e criadora, nascida em 1991. Estudou Teatro (Interpretação) na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo, é mestre em Teatro Música na Royal Central School of Speech and Drama em Londres e tem a Pós-Graduação em Dança Contemporânea do Instituto Politécnico do Porto. Créditos recentes enquanto intérprete incluem: “Teatro das Compras” de Giacomo Scalisi, “Microglobo – O Teatro Mais Pequeno do Mundo” com Graeme Pulleyn, “Mina” da Companhia Amarelo Silvestre com encenação de Rafaela Santos e “Noite” das Comédias do Minho com encenação de Graeme Pulleyn.

 

@foto BOZZO

Our Microscopic – look at it, four billion times smaller than us
Idakuro |JP|

Choreography and performance: Asami Ida and Natsuko Kuroda
Music: “Mukkuri 1”, by Umeko Ando, COLEZO! Natural sound Suikinkutsu
Costume: Kaori Tamura and Meirav Weiss

Watching them through a microscope
It might not be a beautiful sight.
Going round and round repeatedly without making any progress or destination.
But you can look and imagine them.
They are doing what they need and want…It’s so simple for a living being.
In our point of view, they live true core with their instincts.
We could learn so much from these amazing creatures.
Imagine we are them.
What kind of world is waiting for us.
IDAKURO (Aasami Ida, Natsuko Kuroda)

Ida and Kuroda started creation as Idakuro, when students of university of Tsukuba, in 2007, with the main Piece ”Our Microscopic – look at it, four billion times smaller than us” They won the Toyama Prefectural Governor Prize with the Artistic Movement TOYAMA. They were Finalist in Yokohama Dance Collection R 09 and received an Outstanding performance award in NEXTREAM21 (2010). In 2011 they obtained the 2nd Prize of the Dance Creation Award in Own Produce show (Park) and in 2012 de 1st Prize in the International Festival of Modern Choreography in Vitebsk.

/

Coreografia e interpretação: Asami Ida e Natsuko Kuroda
Música: “Mukkuri 1”, de Umeko Ando, COLEZO! Sons naturais Suikinkutsu
Figurinos: Kaori Tamura e Meirav Weiss

Pode não ser uma visão bela
olhar para eles através do microscópio.
Às voltas sem parar, sem fazer qualquer progresso e sem destino.
Mas podemos olhar e imaginá-los.
Estão a fazer aquilo que precisam e que querem…é tão simples para um organismo vivo.
Do nosso ponto de vista os seus instintos são o verdadeiro fulcro vital.
Podíamos aprender tanto com estas criaturas fantásticas.
Imaginem que somos elas.
Que tipo de mundo nos espera.
IDAKURO (Aasami Ida e Natsuko Kuroda)

Ida e Kuroda começaram a criar sob o nome Idakuro quando ainda eram estudantes universitários em Tsukuba. Em 2007, com a sua peça “O mundo microscópico – olha para ele, quatro mil milhões de vezes mais pequeno do que nós”, ganharam o prémio estatal da prefeitura de Toyama com o movimento artístico TOYAMA. Foram finalistas na Yokohama Dance Collection R 09 e receberam o prémio de excelência de interpretação no NEXTREAM21 (2010). Em 2011 obtiveram o 2.º prémio de criação em dança na categoria de produção própria (Park) e, em 2012, o 1.º prémio no International Festival of Modern Choreography em Vitebsk.

 

INTERMISSION/INTERVALO

 

@foto Pedro Soares

A Invenção da Resposta (excerpt/excerto)
Companhia de Dança de Almada |PT|

Choreography: Bruno Duarte and Luís Malaquias
Performers: Beatriz Rousseau, Bruno Duarte, Francisco Ferreira, Joana Puntel, Luís Malaquias, Mariana Romão, Raquel Tavares
Music: Astor Piazzolla, John Thomas, Gabriel Fauré
Répétiteur and choreographers assistant: Maria João Lopes

(…) Life arises in the occupation of an empty space, a blank sheet of paper, a silence, a still body.
Luís Malaquias

Bruno Duarte holds a degree in Dance from Escola Superior de Dança, (ESD) in Lisbon. In 2011, he was an ERASMUS student at ArtEZ Dance Academy, Netherlands, where he completed the “Minor Dancer” program. He was a dancer at Staccato – Companhia de Dança Contemporânea, (2004/11), and performer with Grupo Experimental de Dança, (2011/2), and Quorum Ballet (2013) companies. He was co-creator of the pieces “Metamorfose” for Culturgest, (2011/2), “P48” (video dance), presented at the 20th Quinzena de Dança de Almada, (2012) and “5”, (video dance), presented at the Caldas Late Night, (Portugal), L’art difficile de filmer la danse, (Belgium) and InShadow,(Portugal) festivals. He choreographed “someone else ago” for the BOXNOVA program at Centro Cultural de Belém, (2013). He’s participated in workshops and seminars by Mikael Fau and Pauline Journé, (France), João da Silva, (Brazil), Siri Dybwik, (Norway) and Jack Gallagher, (USA), amongst others. He has been a dancer at Ca.DA since 2013, where he’s created the pieces “Riot”, “Dentro do Abraço” and “Fobos”.

Luís Malaquias began studying Dance in Leiria. In 2012 he graduated from Escola Superior de Dança in Lisbon, where highlights included working with Cristina Graça, Barbara Griggi, Amélia Bentes, José Grave, Teresa Ranieri and Gonçalo Amorim amongst others. He’s danced in several companies, with highlights being the pieces, “Casa do Rio” and “Muito Chão”, by Benvindo Fonseca and “La Ligne de Vie”, by Carla Jordão whilst with Companhia de Dança de Almada. For the BOXNOVA project at Centro Cultural de Belém, he danced in Bruno Duarte’s “someone else ago”. In Quorum Ballet highlights included “Correr o Fado”, “Swan Lake” and “Dois Séculos” by Daniel Cardoso and “Alice no País das Maravilhas” by Inês Godinho. In Caldas da Rainha he danced in “Step One” by Ana Margarida Costa. He was a co-producer and performer in the video dance productions, “P48” and “5”, presented at the 20th Quinzena de Dança de Almada and at the Caldas Late Night, (Portugal), L’art difficile de filmer la danse, (Bélgica) and InShadow, (Portugal), festivals respectively. He has been a dancer with Ca.DA since 2013.

/

Coreografia: Luís Malaquias e Bruno Duarte
Interpretação: Beatriz Rousseau, Bruno Duarte, Francisco Ferreira, Joana Puntel, Luís Malaquias, Mariana Romão, Raquel Tavares
Música: Astor Piazzolla, John Thomas, Gabriel Fauré
Ensaiadora e assistente de coreógrafos: Maria João Lopes

(…) A vida surge na ocupação de um espaço vazio, de uma folha em branco, de um silencio, de um corpo parado.
Luís Malaquias

Bruno Duarte (1991), licenciado em Dança, pela Escola Superior de Dança (ESD) e concluiu o programa “Minor Dancer” na ArtEZ Dance Academy, Holanda. Como freelancer, interpretou trabalhos de Margarida Belo Costa, André Teodósio e Daniel Cardoso e criou as peças “Metamorfose” (Culturgest), “P48” (videodança), “.5” (videodança); coreografou a peça “someone else ago” (BOXNOVA – CCB), “Raw but Silent” para a Escola Superior de Dança e “L’Veltro” com Elson Marlon Ferreira. É bailarino da Ca.DA desde 2013, onde criou as peças “Riot”, “Dentro do Abraço”, “Gaveston” e “Fobos”.

LuÍs Malaquias iniciou os estudos em Dança em Leiria. Em 2012 licenciou-se na Escola Superior de Dança, em Lisboa, onde destaca o trabalho com Cristina Graça, Barbara Griggi, Amélia Bentes, José Grave, Teresa Ranieri, Gonçalo Amorim, entre outros. Dançou em várias companhias, destacando as peças “Casa do Rio” e “Muito Chão” de Benvindo Fonseca e “La Ligne de Vie” de Carla Jordão, na Companhia de Dança de Almada. Para o projeto BOXNOVA do Centro Cultural de Belém, dançou “someone else ago” de Bruno Duarte. No Quórum Ballet, destaca “Correr o Fado”, “Swan Lake” e “Dois Séculos” de Daniel Cardoso; “Alice no País das Maravilhas” de Inês Godinho. Nas Caldas da Rainha dançou “Step One” de Ana Margarida Costa. Foi coprodutor e intérprete nas peças de vídeodança “P48”, apresentada na 20ª Quinzena de Dança de Almada, e “5” apresentada nos festivais Caldas Late Night (Portugal), L’art difficile de filmer la danse (Bélgica) e InShadow (Portugal). É bailarino da Ca.DA desde 2013.

 

Alias
Dírtz Theatre |FR|

Choreography, performance and music: Denat Charlie
Costumes: Cinzia Derom
Outside eye: Jolanda Loellmann

A head,
That hasn’t been spared by the chaos of life.
Shoulders hardly strong enough to hold up the weight of existence.
A tyrannical and insensitive ego.
A wind that blows and brushes us,
A wind that strips us.

Sensitively and sensually laying himself bare, “Alias” unveils a man trying to free himself from his own shells and embarks on a journey to discover his “other” self, hidden well inside him.
Behind the mask we catch a glimpse of the man, a being of flesh and blood. And who is hiding behind the man?

Based in the south of France,  Dírtz Theatre is born out of the initiative of Charlie Denat and Jolanda Löllmann. Two artists, coming from dance and contemporary circus that found their common language in giving life to objects, puppets and masks with the tools of their body

Charlie Denat started his artistic education by playing playmobil for 15 years. Not able to stop creating stories and characters he went on studying theatre at the conservatory of Nantes and then joined the Circus school of Geneva. For the past ten years he has been exploring the relationship between movement, emotions and meaning. Using circus as well as theatre, dance, object manipulation or puppet, he develops a minimalistic theatre focused on movement and intention.

/

Coreografia, interpretação e música: Denat Charlie
Figurinos: Cinzia Derom
Olho exterior: Jolanda Loellmann

Uma cabeça,
Que não foi poupada ao caos da vida.
Ombros que mal conseguem suster o peso da existência.
Um ego tirânico e insensível.
Um vento que sopra e roça por nós,
Um vento que nos despe.

“Alias” revela um homem que tenta libertar-se das suas carapaças e inicia uma viagem ao encontro do “outro” escondido dentro de si mesmo. Por trás da máscara conseguimos vislumbrar o homem, um ser de carne e de sangue. E que se esconde atrás do homem?

Sedeado no sul de França, o Dírtz Theatre foi fundado a partir da iniciativa de Charlie Denat e Jolanda Löllmann, dois artistas, que vieram da dança e do circo contemporâneo e que encontraram uma linguagem comum ao darem vida a objetos, marionetas e máscaras usando como ferramenta os seus corpos.

Charlie Denat iniciou a sua educação artística a brincar com playmobil durante 15 anos. Sem conseguir parar de criar histórias e personagens, estudou teatro no conservatório de Nantes e depois frequentou a escola circense de Genebra. Durante os últimos dez anos tem explorado a relação entre o movimento, as emoções e o significado. Recorrendo ao circo, bem como ao teatro, dança, manipulação de objetos ou marionetas, desenvolve um teatro minimalista centrado no movimento e na intenção.

 

Duration: 73 mins
For ages 12 years and above
6€, 4,2€ para jovens e séniores

/

Duração: 73’
Maiores de 12 anos
6€, 4,2€ para jovens e séniores

Both comments and pings are currently closed.