photo/foto Fabian Andres Cambero

22 Sep./set. | 18:00
Venue/Local: Teatro Municipal Joaquim Benite – Sala Experimental

Adorabilis
Jonas & Lander |PT|

With Adorabilis, Jonas&Lander were considered by Aerowaves as some of the most promising young artists of Emerging Dance.

Choreography: Jonas&Lander
Performance: Jonas Lopes, Lander Patrick, Lewis Seivwright
Costumes: Carlota Lagido a partir de ideias de Jonas&Lander
Light Design: Carlos Ramos
Sound Design: Lander Patrick
Digital Animation: Web4Humans
Music:
Anaconda by Nicki Minaj (without lyrics / voice)
Monologue by Moondog (only lyrics)
God is a shark by Jonas&Lander
Rite of Spring by Stravinsky (excerpt)
Symphony nº 3 – II “Lento e Largo” – Tranquillisimo by Henryk Górecki
Simphony in C major by Wagner (excerpt)
Production: Patrícia Soares
Co-production: Teatro Maria Matos e Centro Cultural Vila Flor
Diffusion: Produção d’Fusão
Artistic residencies: O Espaço do Tempo, Alkantara (PT), Centro Cultural Vila Flor (PT), Centro de Experimentação Artística no Vale da Amoreira/Câmara Municipal da Moita, Artemrede/Projeto Odisseia (PT), DeVIR/CAPa (PT), Câmara Municipal de Lisboa/Polo Cultural | Gaivotas Boavista, PACT Zollverein (AL), Sín Culture Centre Budapeste (HU), Graner/Mercat de les Flors (ES), Nave (CL). Aid for internationalisation: Fundação Calouste Gulbenkian (PT).
Artistas Aerowaves 2017

“We’re all
We are all like little fishes
Inside A small ball made of glass
And God
God is like a shark
who’s in charge of us / I guess
We’re all
We are all like small fishes
Trying
Trying to not drown
And God
God is like a big brother
He watch us going up
and down
We’re all
We’re all like little fishes
God can be the fisherman
God
Is a huge huge fan of sushi
And when someone is fished
We say amen
Swim
We all Swim without stopping
Going to the nowhere land
And God
Is a giant octopus
Older than the old Big Ben
Godfather
He Likes to ask a lot of us
But we are only small small tiny fishes
And so
Cause we all have fish memories
In the end we are just like small Bitches
God
Oh God you are a shark, a giant shark
We are small small small tiny little fishes
A shark an omnipresent shark a silver shark a life guard of a bunch of bitches”

“God is a shark”
Music and lyrics: Jonas&Lander

Adorabilis creates a ceremonial space filled with bodies in a state of emergency which acts as a fictional machine containing three beings exposed and victimized by invisible tensions. In a state of alertness, the interactions of these beings are permanently watched by an energetic, and virtual eye, and it is not clear whether its nature is authoritarian or passive, if its intention is to control or to nurture. This fourth digital performer may also have the power to suggest to the audience which performers or scenic areas are most relevant at the moment. Jonas & Lander use the richness of cultural and natural biodiversity to create a labyrinthine dance. Light, sound and set are autonomous elements that affect the performers’ behaviour and reaction, just as rain, night or spring are key elements in the life of animals.

Lander Patrick (Brazil, 1989) has suffered from chronic asthma since he moved from Brazil to Portugal in 1989, the year he was born. He was a federate athlete of volleyball to cope with the disease, and ended up graduating in dance. He received two Choreography Awards – 1st Prize at the Koreografskih Minijatura Festival (Serbia) with the piece Noodles Never Break When Boiled (2012) and 2nd Prize at No Ballet International Choreography Competition (Germany) with Cascas d’OvO (2013) – this spurred him on to continue with choreographic creation rather than working in a call center. Cascas d’OvO has been shown in Portugal, Italy, Sweden, France, Germany, Brazil, Spain, England, Poland, Switzerland, etc. and thanks to it he received the award Aerowaves Priority Company 2014. He has been collaborating around the world with people he admires, such as Luís Guerra, Tomaz Simatovic, Marlene Monteiro Freitas, Margarida Bettencourt, André E. Teodósio, Jonas Lopes, etc. He lives in Lisbon in a campervan with his partner. He believes vegetarianism will help to save the planet.

Jonas Lopes (Lisbon, 1986) starts his artistic training in Chapitô in 2002. During the course he was awarded an artistic residency of music composition in Italy, and did a professional internship at Teatro São Luiz as a performer in the play Cabeças no Ar.
In 2007 he moves to London where he attends free training at Pineapple Dance Studios and Circus Space University. Curiously he started his career as a professional Fadista (fado singer) in London. In 2011 he edits the album Fado Mutante that was awarded the prize Carlos Paredes 2012. In 2010 he starts attending Escola Superior de Dança where he meets his partner Lander Patrick. The two begin a professional duo as co-creators that remains to this day. Their repertoire includes the pieces Cascas d’OvO (2013), Matilda Cartola (2014), Arrastão (2015) and Octopus Adorabilis that premiered in 2016. The duo also directed the community projects “Playback” in the festival Materiais Diversos 2013, as well as the play Caruma (2014) within the Estufa -Plataforma Cultural project. Jonas has participated as well in the projects Dançando Com a Diferença and in the creative laboratory of ACCCA – Companhia Clara Andermatt (2013), where the solo Jacarandá was created and subsequently presented in Festival Todos (2014).
In 2013 he worked with the choreographer Tiago Guedes in the play Hoje; in 2014 he participated in the project Hortas by Vera Mantero with a presentation at Culturgest and in 2016 he was involved in the play Gala by Jérôme Bel.

Jonas&Lander have been contributing to each other imaginary since 2011, experiencing contrasting paradigms in personal and professional experiences. Cascas d’OvO (2013) reveals their beginning as professionals of the artistic field, built in the public gardens of Lisbon and Guimarães with dogs and sparrows as an forced audience, which led them to recognize the power of communication of their bodies. Literally and metaphorically they began to walk blindfolded through several European and South American theatres, being selected as Aerowaves Priority Company 2014. From their following works stand out: Matilda Carlota (2014), Arrastão (2015) and Adorabilis (2017) that was again part of the selection of Aerowaves Priority Company 2017. Also in 2017, they were selected for Programa de Convite à Criação Artística Nacional of Rede 5 Sentidos with the Lento e Largo project, to be premiered in 2019, in co-production with Rede 5 Sentidos, Theater Freiburg (DE) and Teatro do Bairro Alto. Besides Lento e Largo, in 2019 they have created the performance “Coin Operated” by invitation of BoCa – Bienal of Contemporary Arts.

http://jonas-lander.wixsite.com/jonas-lander/pt-pagina-inicial

Performance presented in partnership with the Casa da Dança

Duration: 60’
Ages: 6 and above
Price: 6€ | 4,50€ for youth and senior citizens

/

Com Adorabilis, Jonas&Lander foram identificados como dos mais promissores jovens artistas da Dança Emergente pela Aerowaves.

Criação: Jonas&Lander
Interpretação: Jonas Lopes, Lander Patrick, Lewis Seivwright
Figurinos: Carlota Lagido a partir de ideias de Jonas&Lander
Desenho de luz: Carlos Ramos
Sonoplastia: Lander Patrick
Animação digital: Web4Humans
Música:
Anaconda de Nicki Minaj (sem letra/voz)
Monologue de Moondog (só letra)
God is a shark – Jonas&Lander
Sagração da Primavera – Stravinsky (excerto)
Symphony nº 3 – II “ Lento e Largo” – Tranquillisimo – Henryk Górecki (excerto)
Simphony in C major – Wagner (excerto)
Produção: Patrícia Soares
Coprodução: Teatro Maria Matos e Centro Cultural Vila Flor
Difusão: Produção d’Fusão
Residências artísticas: O Espaço do Tempo, Alkantara (PT), Centro Cultural Vila Flor (PT), Centro de Experimentação Artística no Vale da Amoreira/Câmara Municipal da Moita, Artemrede/Projeto Odisseia (PT), DeVIR/CAPa (PT), Câmara Municipal de Lisboa/Polo Cultural | Gaivotas Boavista, PACT Zollverein (AL), Sín Culture Centre Budapeste (HU), Graner/Mercat de les Flors (ES), Nave (CL).
Apoio à internacionalização: Fundação Calouste Gulbenkian (PT).
Artistas Aerowaves 2017

Adorabilis cria um espaço cerimonial preenchido por corpos em estado de emergência, que atua como uma máquina ficcional, albergando três presenças expostas e vitimizadas por tensões invisíveis. Em estado de alerta, as interações destas presenças são constantemente inspecionadas por um olho virtual, enérgico, não ficando claro se a sua natureza é autoritária ou passiva, se controla ou cuida. Este quarto performer digital pode ainda ter o poder de sugestionar o público sobre que performers ou zonas cénicas são mais relevantes, no momento.
Jonas&Lander servem-se da riqueza da biodiversidade cultural e natural para criar uma dança-labiríntica. A luz, som e cenário são elementos autónomos que afetam o comportamento e reação dos performers, tal como a chuva, a noite ou a primavera são elementos determinantes na da vida dos animais.

“Somos todos
Somos todos como peixinhos
Dentro de uma pequena bola de vidro
E Deus
Deus é como um tubarão
Responsável por nós, acho eu
Somos todos
Somos todos como pequenos peixes
Que tentam
Que tentam não se afogar
E Deus
Deus é como um Big Brother
Ele vigia-nos a ir para cima
e para baixo
Somos todos
Somos todos como peixinhos
Deus pode ser o pescador
Deus
É um enorme, enorme fã de sushi
E quando alguém é pescado
Dizemos ámen
Nadar
Nadamos todos sem parar
Rumo à terra de parte nenhuma
E Deus
É um polvo gigante
Mais velho que o velho Big Ben
O Padrinho
Ele gosta de exigir muito de nós
Mas nós somos apenas minúsculos peixes, pequenos, pequenos
E assim
Porque temos todos memória de peixe
no final somos todos cabrinhas
Deus,
Oh, Deus és um tubarão, um tubarão gigante
Nós somos minúsculos peixinhos, pequenos, pequenos
Um tubarão, um tubarão omnipresente, um tubarão prateado, um nadador salvador de um
bando de cabrinhas”

“Deus é um tubarão”
Música e letra: Jonas&Lander (tradução do inglês)

Lander Patrick (Brasil, 1989) sofre de asma crónica desde que se mudou do Brasil para Portugal em 1989, ano em que nasceu. Foi federado em voleibol para rematar a doença, acabando por se formar em dança. A atribuição de dois prémios em coreografia – 1º prémio no Festival Koreografskih Minijatura (Sérvia) com a peça Noodles Never Break When Boiled (2012) e 2º prémio no No Ballet International Choreography Competition (Alemanha) com Cascas d’OvO (2013) – motivaram-no a persistir na criação coreográfica em vez trabalhar num call center. Cascas d’OvO valeu-lhe ainda a distinção como Aerowaves Priority Company 2014, tendo sido apresentada em Portugal, Itália, Suécia, França, Alemanha, Brasil, Espanha, Inglaterra, Polónia, Suíça, etc. Tem vindo a colaborar, por esse mundo fora, com pessoas que admira, tais como: Luís Guerra, Tomaz Simatovic, Marlene Monteiro Freitas, Margarida Bettencourt, André E. Teodósio, Jonas Lopes, entre outros. Vive em Lisboa numa autocaravana com o seu amor e acredita que o vegetarianismo contribuirá para uma prolongada existência do planeta.

Jonas Lopes (Lisboa, 1986) inicia a sua formação artística na escola Chapitô em 2002. No decorrer do curso foi premiado com uma residência artística de composição musical em Itália e fez estágio profissional no Teatro São Luiz como interprete na peça “Cabeças no Ar”.
Em 2007 muda-se para Londres onde frequenta formação livre no Pineapple Dance Studios e Circus Space University. Curiosamente inicia na capital Londrina a sua carreira como fadista profissional. Em 2011 edita o álbum “Fado Mutante” distinguido com o prémio Carlos Paredes 2012.
Em 2010 entra na Escola Superior de Dança onde conhece o seu parceiro Lander Patrick. Os dois iniciam uma dupla profissional como co-criadores que se mantém até hoje. Fazem parte do seu repertório as peças “Cascas d’Ovo”(2013), “Matilda Cartola”(2014), “Arrastão”(2015) e “Octopus Adorabilis” (2016). A dupla dirigiu ainda os projectos comunitários “Playback” no festival Materiais Diversos 2013, bem como a peça “Caruma” (2014) inserida no projecto Estufa – Plataforma Cultural.
Jonas participou ainda nos projectos Dançando Com a Diferença e no Laboratório de criação da ACCCA – Companhia Clara Andermatt (2013) contexto onde surge o solo “Jacarandá” posteriormente apresentado no festival “Todos” (2014).
Ainda em 2013 trabalha com o coreógrafo e programador Tiago Guedes na peça “Hoje”, em 2014 participa no projecto “Hortas” de Vera Mantero com apresentação na Culturgest e em 2016 entra na peça “Gala” de Jérôme Bel.

Jonas&Lander têm contribuído para o imaginário um do outro desde 2011, experienciando paradigmas contrastantes em experiências de âmbito pessoal e profissional.
Cascas d’OvO (2013) revela a sua inscrição como profissionais da área artística, construída nos jardins públicos de Lisboa e Guimarães com cães e pardais como audiência à força, que os levou a reconhecer o poder de comunicação dos seus corpos. Literalmente e metaforicamente começaram a andar de olhos vendados percorrendo vários teatros europeus e da América do Sul, sendo ainda selecionados como Aerowaves Priority Company 2014.
Das suas obras seguintes destacam-se Matilda Carlota (2014), Arrastão (2015) e Adorabilis (2017), esta última criação integrando novamente a seleção de Aerowaves Priority Company 2017.
Ainda em 2017 são selecionados para Programa de Convite à Criação Artística Nacional da Rede 5 Sentidos com o projeto Lento e Largo, a estrear em 2019, em coprodução com a Rede 5 Sentidos, o Theater Freiburg (DE) e o Teatro do Bairro Alto.
Em 2019, criam, além de Lento e Largo, Coin Operated, uma performance a convite da BoCa – Bienal of Contemporary Arts.

http://jonas-lander.wixsite.com/jonas-lander/pt-pagina-inicial

Espetáculo apresentado em parceria com a Casa da Dança

Duração: 60’
Classificação etária: M/6
Preço: 6€ | 4,50€ para jovens e séniores